Komi-san wa, Komyushou desu. #1 – Primeiras Impressões

Uma das melhores estreias dessa Temporada de Outono de 2021.

Olá pessoal. De volta aqui, comigo e com Alê, para conversarmos um pouco desse começo fantástico que foi de Komi-san wa, Komyushou desu. Tanto eu quanto o Alê não líamos o mangá e o anime foi uma oportunidade de conhecermos mais sobre a obra, e que satisfação saímos depois dessa estreia. Fiquem com as nossas impressões sobre tudo o que achamos desse 1º episódio.

SINOPSE: É o primeiro dia de Shouko Komi na prestigiosa Itan Private High School, e ela já alcançou o status de celebridade da escola. Porém, apesar de sua popularidade, Shouko é péssima em se comunicar com os outros. Hitohito Tadano é um garoto normal do ensino médio, com o lema de sua vida de “leia a situação e certifique-se de ficar longe de problemas”. Um dia, nocauteado por acidente, Hitohito mais tarde acorda ao som do “miau” de Shouko. Ele mente que não ouviu nada, fazendo Shouko fugir. Mas antes que ela pudesse escapar, Hitohito supõe que Shouko não é capaz de falar com os outros facilmente – na verdade, ela nunca foi capaz de fazer um único amigo. Hitohito resolve ajudar Shouko com seu objetivo de fazer cem amigos para que ela possa superar seu distúrbio de comunicação. 

RUB: Alê, no instante que estamos escrevendo esse post, está sendo publicado as nossas impressões sobre Platinum End. E novamente saímos de uma obra com baixa qualidade para um anime que sobra adjetivos para dizer todo o deslumbre que foi essa estreia de Komi-San. Alê, posso dizer com toda a certeza que junto com 86, Komi-san foi uma das melhores coisas que está passando nessa temporada. E não é exagero não, porque aqui temos uma equipe de produção que soube trabalhar com o material original, até elevando ainda mais a qualidade da história em todos os sentidos. Toda a introdução do episódio mostra a que veio. Aparece a Komi-san, com uma ar de princesa e de superioridade, entretanto toda aquela interação com o gato de rua meio que evidencia que a personagem não é aquilo que os demais na rua acham. Aliás, a animação nesse inicio estava sublime. Sei que o estúdio não é tão badalado e tal, porém está conseguindo entregar alguns cortes de animação de encher os olhos. O diretor com os seus contatos, estão entregando muito mais que foi esperado para essa obra. Até os momentos cômicos em que temos os designs simplificados, são desenhados com um estilo e técnicas únicas para deixar ainda mais engraçado a piada. Em seguida temos todas as interações dos protagonistas e interpretações errôneas que cada um tira do outro, provocando ainda mais confusões. Exemplo, o Tadano afirmar que é excelente leitor de climas, mas que faz cada dedução bizarra que o deixa em maus lençóis a cada vez que fala. Ou da própria Komi que em vez de dar um sorriso e não falar nada por causa de sua timidez, enrijece a face, parecendo que está com prisão de ventre e foge a todo momento que precisa abrir a boca para realizar alguma tarefa. E isso tudo foi em quanto tempo? Em apenas 3 minutos? Tem anime que demora vários episódios para apresentarem os seus protagonistas e aqui bastou poucos minutos para entendermos tudo sobre aquele ambiente escolar excêntrico e de como cada aluno daquela sala em que estão a dupla de principais se encontram são tudo pessoas bizarras. Tem uma cavaleira, um ninja, uma vândala, otaku… tem de tudo e isso só mostrando a identidade visual deles de relance. Tudo para ambientar o espectador para aquele espaço único em que se passará essa história.

ALÊ: Concordo plenamente com você. “Komi-san” é um dos grandes destaques da temporada e teve uma estreia excelente!!! Não vi tantas estreias dessa season, mas sem dúvida alguma foi uma das melhores (e deve continuar sendo pelo que estou vendo). A introdução do episódio, é ótima. Mesmo sem a protagonista dizer uma única frase (tá certo que ela praticamente não fala o episódio inteiro, mas vocês entenderam…), já conseguem estabelecer que a personagem tem algum tipo de problema ou dificuldade, ao mesmo tempo que ela tem aquela presença de ser “inalcançável”, sendo idolatrada por todos. E do outro lado, o Tadano é aquele personagem que apenas queria viver seus anos normalmente, mas que é excêntrico (no fim, todos da sala são excêntricos, cada um com suas particularidades) tentando esconder isso e involuntariamente, acaba sendo alvo dos demais alunos da sala por estar ao lado da Komi. Toda essa introdução torna o personagem muito simpático e divertido. Como você disse, tem animes que precisam de episódios para você conseguir comprar os personagens (e alguns sofrem muito com isso), mas aqui acontece em pouquíssimos minutos. A animação parece ter dinheiro/tempo de produção aqui. Tem cenas que são verdadeiros deslumbres de tão lindos, tendo até os movimentos de cabelo quando querem mostrar/exaltar a beleza da personagem, junto com suas expressões. Tudo é muito bem feito sendo um primor. Espero muito que continue nesse nível (e sem ter ninguém morrendo para terminar o episódio a tempo). Estão tendo um cuidado tão bom com a obra. O diretor captou muito bem a essência do mangá e está trabalhando perfeitamente para melhorar o que já é bom. Um exemplo muito disso é usarem onomatopeias para compor as piadas e brincar com elas para formar algo visual. Isso é excelente demais!

RUB: Exato. Usaram elementos do manga como as onomatopeias para incorporar na adaptação, deixando ainda mais engraçado várias piadas. A cena deles se apresentando e o Tadano recebendo olhares de reprovação dos demais, com uma composição visual adequada para o caso, ou quando a Komi que não consegue dizer um “a” e vai no quadro para escrever o seu nome. Tudo isso é muito bem feito. Uma coisa bem evidente é o timing cômico do roteiro. Até usam o silêncio como escada para a punchline. É muito bem feito. Depois desse inicio, temos uma das melhores cenas entre todas as estreias. Começa com o Tadano acordando depois de ter tomado uma porrada involuntária da galera e escuta a voz da Komi-san. Mesmo aqui temos diversas piadas, como a Komi fugindo e agindo feito um gato, porque adora o animal de estimação, ou o Tadano acha que fez alguma cagada e faz as mais bizarras deduções do que levou a Komi fugir. Repare que toda nessa sequencia é retirada a trilha sonora. A direção só coloca para pontuar os momentos mais pontuais de drama ou de emoção intensa, mas que a maior parte das cenas desse meio é silenciosa. Usam o ambiente quieto até para gerar vários sentimentos nos espectadores, como a antecipação ou curiosidade para quem está vendo sobre o que a Komi vai escrever no quadro. Nossa, é muito bem encaixado, porque vai fazendo toda uma preparação minuciosa para acompanharmos o que cada personagem vai dizer em suas interações. Aí vai de cortes dinâmicos e reações do Tadano, mais cenas de comédia dos dois não se entendendo, ou até mesmo quando a Komi acha que está importunando o protagonista, fica uma mistura muito boa de engraçado com drama. Em seguida acompanhamos toda a explicação dela sobre todo a sua fobia de falar na frente de outras pessoas e de como a machuca ela não conseguir falar um simples obrigado para alguém. E ela vai escrevendo, relatando todo o seu sofrimento e aí temos o ápice dessa estreia. A Komi acha que está sendo um incomodo e pede para o protagonista ignorar e continuar sua vida. Reparando que ele era o único que ainda estava falando entre os dois, ele decide aceitar a aflição da Komi e entrar no seu “mundo de silêncio” começando a escrever no quadro. Nossa, essa cena me quebrou bonito. Meus olhos começaram a lacrimejar vendo eles se entendendo com apenas palavras escritas e nada sendo dito. Que cena MARAVILHOSA ALÊ!

ALÊ: A cena da Komi escrevendo é linda. O Tadano tentando passar uma boa impressão sem dar certo, pensando até que o ano dele estava acabado. Enquanto que a Komi só escreveu o nome e foi aclamada, por assim dizer. Fabuloso. Sim, o timing cômico é muito bom, usando “pausas”, silêncio e efeitos sonoros para dar o tom de comédia à cena. Eu gostei muito do momento que ele acorda, porque na hora que a Komi tenta fugir, ele age muito rápido para tentar deduzir qual o problema que a Komi tem. Adorei a representação visual, pegando diversos momentos chaves que o Tadano presenciou ao longo do dia. Quando ele acerta que é aquilo, ela para na hora. Finalmente alguém tinha entendido o que se passava com ela. Isso sendo apenas o começo. Toda a cena da lousa ocupa mais ou menos metade do episódio e cara, que momentos incríveis. É uma montagem ótima mesmo. É bem como você apontou. O silêncio (sem trilha sonora), com somente as vozes do Tadano e o barulho do giz riscando a lousa tornam o ambiente mais instigante para você querer saber o que será escrito. A fobia da Komi é passada de uma forma tão real e estabelecem o medo dela tão bem em pouco tempo. Os relatos dela ao lado de pequenos flashes no fundo são muito muito bons. Toda a representação e dicas que vão sendo deixadas ao longo do episódio para no final tudo encaixar perfeitamente, foi brilhante. Eu quase chorei e em diversos momentos as lágrimas quase escorreram, mas só não aconteceu, porque tive que pausar o episódio 2 vezes nesses momentos para ver o que minha mãe queria 😦

RUB: É muito difícil eu me emocionar assistindo qualquer coisa. Então a obra que consiga me fazer chorar com algo, merece os mais diversos elogios. E toda a fobia da Komi é algo muito identificável com qualquer pessoa que tenha algum grau de timidez. Não fui TÃO atingido por essa característica ao tal ponto de não conseguir falar com alguém, porém quando rolava trabalhos e tinha que apresentar na frente, eu odiava, porque quando era moleque, eu tinha dificuldade para me expressar graças ao problema de fala que eu tinha e que tive consultar fonoaudiologia para corrigir esse problema. Eu troca R por N ao falar. Então quando pediam para falar o meu nome completo e o meu sobrenome Peres virava Penis, resultado da minha dicção problemática. Com o tempo passei a me soltar e fui perdendo a vergonha, também graças ao meu jeito de achar graça ou fazer piadas nas minhas desgraças e nas dos outros. Assim, ver o problema da Komi-san, a maioria dos otakus irão se identificar em algum nível por causa do perfil da galera otaku que é bem acanhada ou apresenta uma timidez para falar para um grande número de pessoas. Óbvio que a Komi-san é em um extremo perto de fobia social, porém ainda faz uma ligação emocional com o espectador, gerando a empatia da personagem com o seu drama pessoal. Em seguida temos toda a fofura dos 2 personagens prometendo se ajudar um ao outro, mostrando todo o vínculo e cumplicidade criado nessa “terapia” nada convencional que eles tiveram. Aí temos a OP e que linda animação. A música combina demais com o clima do anime e que já está na minha playlist do Spotify que ando escutando ultimamente. Ainda temos o epilogo nos alertando para um certo detalhe, que parando para pensar, faz todo sentido. Como a Komi-san passou na entrevista de ingressar naquela escola TOP da região? A narradora já tinha avisado de como era difícil passar no teste de entrar naquele colégio. Aí explicam, dando contexto que tem algo por trás dessa instituição juntar tanta gente esquisita em apenas um local. Então podemos esperar mais pessoas se juntando a dupla de protagonistas com alguma excentricidade bem evidente. Gosto dessa ideia.

ALÊ: Exato! Também estou longe do nível da Komi, mas tenho muita dificuldade para falar com estranho e/ou para muitas pessoas. Odiava ter que apresentar trabalhos e lembro que meu professor de história do Fundamental II queria que eu apresentasse o trabalho falando para a sala, mas eu não conseguia (olhava para o teto ou chão) e voltava a falar para ele. Sei que ele fazia para o meu bem, mas eram momentos de terror. Pelo perfil do público, é bem fácil de se identificar e pela forma que o autor trabalhou, ajuda muito nisso. Acho que todo mundo tem ou já teve um amigo que tem dificuldade para falar/se expressar em público. Achei muito fofo a relação estabelecida pelos dois, uma ajuda para encontrar e fazer novos amigos. Faltam 99 amigos para serem feitos. A história promete e espero que se mantenha no nível da estreia (tenho um pouco de receio, pois o mangá tem fucking 23 volumes e segue em andamento…). Amei a OP. Tinha visto ela antes do anime estrear (a produção lançou a OP no YouTube dias antes da estreia) e fica ainda mais compreensível (visualmente) depois de assistir o episódio. Ainda quero ver a letra da música para saber se ela quer nos passar algo. Por fim, gostei do contexto da escola ter uma métrica de reunir pessoas excêntricas. Acho isso interessante e tem boas possibilidades para criar N situações divertidas com esses personagens. Estou bem empolgado.

RUB: Então nem preciso dizer que eu super recomendo o anime de Komi-san para todo mundo que curte um anime de comédia, com pitadas de romance e fofura. Agora eu sou o novo fã da obra e me junto para quem já conhecia o mangá. Espero que a equipe de produção do anime mantenha esse nível de qualidade apresentada aqui para o resto da temporada. Ansioso para o próximo episódio. xD

ALÊ: Me empolguei com a obra também. Estou com altas expectativas para como o anime irá seguir e espero que o diretor siga melhorando e potencializando as cenas do mangá. O trabalho dele nesse episódio foi perfeito! Mais que recomendado! ^^

Um comentário em “Komi-san wa, Komyushou desu. #1 – Primeiras Impressões

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s