SK∞ (SK8 the Infinity) #1 – Primeiras impressões

Hiroko Utsumi chegou! E chegou COM TUDO!!

Estamos cada dia mais próximos do fim das postagens de primeiras impressões da Temporada de Inverno de 2021. Dessa vez viemos comentar de uma das grandes hypes da Temporada movidas pela força de ninguém mais, ninguém menos que a maravilhosa Hiroko Utsumi, atual diretora de “SK8 the Infinity” ^^


ALÊ: Mana, que estreia foi essa de “SK8 the Infinity” (ou SK∞)? Excelente começo e muito promissor. Preciso dizer que adorei a dinâmica dos dois protagonistas. Embora a personalidade deles seja algo bem ‘batido’, sendo um animado e o outro mais apático, esse aspecto é refletido até mesmo na paleta de cores de cada um. O Reki tem cabelo e roupas com cores em vermelho, amarelo e laranja. Sua personalidade é mais energética e extrovertida. Enquanto que o Langa é um personagem mais “frio”, tranquilo, pouco expressivo no seu dia a dia, sendo trabalhado em tons mais frios e neutros. O cabelo é azul e as roupas, até aqui, foram mais em tons azulados e brancos. Não é uma crítica. Gosto de terem pensado até na composição das roupas na hora de criar os designs dos personagens e incrementar suas personalidades. Comento periodicamente em postagens que realmente amo trabalho de cores e o uso dela para adicionar coisas à história. E o bom é que aparentemente, esse cuidado não foi apenas com os protagonistas. Todo o leque de personagens centrais parece ter sido pensado em cores que apontem traços de suas personalidades. Como ainda não vimos muito dos demais, não dá para dizer muito, mas acho interessante ver no decorrer da série como é a personalidade de cada um e pegar a “cor tema” deles e seu significado, pode ser uma experiência interessante ^^. Voltando ao Reki e o Langa, gosto de como os dois contracenam. Essa discrepância dos dois forma uma combinação deveras interessante, formando momentos bem cômicos e divertidos. No primeiro momento que eles começam a interagir, a química dos dois é muito boa. A cena do Langa tentando subir e andar no skate é muito engraçada (direção ótima, mas falaremos mais dela depois).

ROSE: Nossa, essa estreia foi maravilhosa. Hiroko Utsumi nunca me decepciona. A direção dessa mulher é excelente e merece todo o reconhecimento do mundo. E tenho que concordar que a dinâmica entre os protagonistas é muito boa. Como mencionei antes (nas primeiras impressões de Urasekai Picnic), eu amo a dinâmica entre um protagonista extrovertido e outro introvertido. Esse é de longe um dos meus clichês preferidos, por mais “batido” que seja hahaha. Foi bom você comentar sobre a paleta de cores dos personagens. Sabe que sou apaixonada por cores vibrantes em animes e quando elas tem um propósito estético como é com SK8 the Infinity (ou Hanako-kun, por exemplo), é ainda melhor! As cores de Reki são cores vivas e energéticas como vermelho, laranja e amarelo (acho que vi até um Rosa no início do episódio hahaha), enquanto o Langa possui cores frias em sua essência, apesar de serem tons mais neutros. Eles não são de forma alguma “tristes”. Na verdade eles também carregam certa alegria em sua tonalidade mostrando que, embora Langa seja bastante reservado e externamente parecer um pouco inexpressivo, ele não é de forma alguma infeliz (o que me deixa um pouco aliviada hahaha). E falando nos protagonistas, eu adorei as versões chibi deles que apareceram na metade do episódio. Me lembrou um pouco de Inuyasha e achei tão fofo hahaha. Tenho que ser sincera com você. As aparições dos personagens secundários me fizeram ficar com um gostinho de quero mais hahaha. Também acho que cada personagem tem sua “cor tema” combinando com sua personalidade (Na verdade, eu já esperava isso quando assistia aos teasers). Será interessante tentar desvendar seus significados e associa-los aos personagens nos próximos episódios. Creio que nesse aspecto o anime não irá me decepcionar. Na verdade, acredito que SK8 será um dos meus preferidos da temporada! Mas estou fugindo do tema principal hahaha. Gosto de como as personalidades do Reki e do Langa se completam. As cenas em que os dois interagem são super dinâmicas e engraçadas. A primeira cena dos dois foi perfeita. Não resisti e acabei dando algumas risadas aqui em casa hahaha. Pobre Langa. Reki precisava de um amigo para conversar sobre skates e parece que a grande vítima foi ele hahaha.

ALÊ: Exatamente! O Langa usa tons maioritariamente ‘frios’ e neutros, mas não é como se “ele fosse triste”. É mais para representar que ele é ‘na dele’, porque nem introvertido o personagem é. Ele consegue interagir bem desde que falem com ele. O Langa só aparenta ter um pouco de dificuldade em se expressar, como na apresentação dele que foi um tanto… precária hahahaha. Foi bom você ter comentado sobre as versões chibis e caricatas, porque estou pegando uma predileção enorme quando criam cenas assim. Funciona muito bem comigo. Acho divertido e fofo, fazendo eu me apegar mais aos personagens, isto é, desde que seja usado da maneira certa, como é o caso de SK8. E ainda falando da paleta de cores, acho maravilhoso que tudo é muito contrastante (de forma positiva). As cores são vivas e durante as corridas de Skate tudo é muito exagerado, combinando muito com a série. As roupas, a maquiagem, as ações, os gestos… tudo é muito doido e gosto muito disso. Eu também tenho uma tendência a gostar de coisas malucas ou ‘diferentonas’. A Hiroko Utsumi acertou em cheio em tudo aqui. Sua direção está fabulosa (só se espera o melhor de uma ex-Kyoto Animation hahaha). E falando dela, é bom avisar que esse é um projeto DELA. Ela literalmente assina embaixo do projeto de SK8, então tudo que nós estamos vendo, veio da liberdade criativa que ela tanto sonhou ter e que agora, finalmente pode fazer. Falando um pouco da história dela, ela trabalhou na Kyoto Animation sendo por exemplo, creditada como diretora de “Free!”. Mas o estúdio está sempre trabalhando com “as mesmas séries”, o que deixava ela um tanto presa ao que podia fazer lá dentro. Até que ela saiu do estúdio e foi ser freelancer, trabalhando na adaptação animada de “Banana Fish” e que ela adora, vale ressaltar. Mas ainda assim, ela ainda tinha suas limitações porque se tratava de uma adaptação de um mangá. Agora em SK8, ela não tem nada que impeça de ter a liberdade que deseja. Como é um anime original, não está presa a um modelo para seguir de base e pode criar seus momentos como bem entende! Nós vemos um pouco disso nessa estreia e com toda certeza podem esperar MUITO MAIS no decorrer da animação, porque só está começando e isso me deixa com um hype infernal!!! Partindo para a história, é notório que veremos muitos exageros e brincadeiras com o skatismo, o que é deveras interessante. Eu já espero muita galhofa para essa história hahahaha.

Não é Hiroko, se não tiver o olho haha (de cima para baixo: Free!, Banana Fish e SK8).

ROSE: E bota precária naquela apresentação hahaha. Acho que se dependesse apenas do Langa, ele provavelmente ficaria o resto do ano letivo sem fazer amigos. Sorte que ele conseguiu fazer amizade com Reki (extrovertidos sempre adotando introvertidos hahaha). Gostei de versões chibi (talvez por ter passado boa parte da pré-adolescência lendo Wish da CLAMP hahaha) e amo quando animes em geral usam essa técnica. É uma graça! Voltando ao assunto sobre a paleta de cores, acho que não preciso comentar sobre como elas combinam demais com a essência da série. Como você mencionou antes, tudo é muito exagerado e apresenta um certo charme a obra. O designer dos personagens é único, e as roupas/maquiagens são ótimas! Até os personagens secundários são “diferentes” do habitual. E tenho que ser sincera, o “vilão” do episódio me assustou um pouco hahaha. Sempre admirei os trabalhos da Hiroko Utsumi, principalmente na época de Free!, e saber que nesse projeto ela finalmente poderá ter a liberdade criativa que tanto desejou, me faz muito feliz. A direção dela em Free! e Banana Fish é magnífica. Ela sabe exatamente como e quando usar os melhores artifícios da produção e também criar cenas incríveis, não só de comédia como também de drama, ação e tensão (sexual hahaha). Essa estreia foi mais uma prova do grande talento dessa mulher e agora como Hiroko Utsumi não tem mais tantas limitações para trabalhar, sinto que teremos grandes cenas no futuro! Não espero uma representação realista do skatismo. Na verdade acho que é justamente por isso que a obra se torna tão interessante hahah.

ALÊ: E falando dessa representação de skatismo, eu também não espero nada muito realístico aqui. Se você olhar, as cenas desse episódio de estreia é cheia de absurdos, juntamente com o Langa pegando o jeito com o skate tendo em mente o snowboard, mas é ótimo. A produção desprende desse conceito de realidade, ao mesmo tempo que faz absurdos para incrementar suas cenas e é um excelente acréscimo. Se você pegar toda a construção visual completamente exagerada e contrastante, o surrealismo que vimos aqui combina perfeitamente com a abordagem da série. Eu não sei muito bem o que a história quer me contar, o que ela vai trabalhar, mas vindo da Hiroko, eu espero algumas cenas de drama e ela tem a mão para isso (filha de Kyoto Animation, não é mesmo?! Hahaha)! O que só me deixa mais empolgado e interessado no que a obra tem a dizer. No demais, eu espero por boas cenas de ação, coisa que já tivemos MUITAS aqui e que são um show a parte, com comédia no ponto certo, dramas e desenvolvimentos de personagens e claro, tensão sexual (essencial)!!! Porque com um elenco principal que só tem homens (cof bonitos) e com Hiroko dirigindo, impossível não ter cenas no mínimo sugestivas hahahaha.

ROSE: Minhas expectativas estão nas alturas com SK8! Diferente de Urasekai Picnic, essa estreia foi muito além das minhas expectativas! Hiroko é uma diretora excelente e vindo dela, espero drama, ação e, principalmente: fujobait hahaha.


Amo um contraste

E uma extravagância visual *-*)/

O começo da OP é maravilhoso!

2 comentários em “SK∞ (SK8 the Infinity) #1 – Primeiras impressões

  1. Gente, que produção divertidinha de ver, neh?
    Direção de ação e para comédias no ponto
    Descobri pelo Sakuga Brasil que há uma grande produtora nesse anime também (esqueci o nome agora) Gostaria de ver mais mulheres produzindo e fazendo animes

    Sobre o Skatismo, não seria anime se não tivesse um pouquinho de exagero rsrsrs
    Gosto quando fazem designs de personagens com característica e colorações próprias
    Essa coisa surreal em alguns momentos, deixam o tema que é o esporte do Skate mais atrativo
    (esse ano será a primeira vez que o esporte do skate entrará para as olimpíadas)
    é uma boa homenagem de alguma forma.

    Ps: Quanto homem gostoso numa só tela, senhor, se eu achava que não ficaria servido depois de Moriarty, achei errado kkkkkkkkkkk

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eu também queria ver mais mulheres. Eu adoro e valorizo muito o trabalho da Kyoto Animation muito por além de dar condições de trabalho ideias, eles são um incentivo para mulheres entrarem na indústria, não atoa o estúdio foi fundado por uma mulher (Yuko Hatta) e é composto em cerca de 80% por mulheres. Amo demais!

      Concordo bastante contigo, o surrealismo acaba atiçando mais a curiosidade. Torna as cenas de ação mais empolgantes ao mesmo tempo em que da uma liberdade criativa maior.

      Oh! Não sabia que skate iria passar a fazer parte das Olimpíadas! Muito legal e interessante 🙂

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s