Yuukoku no Moriarty (Moriarty the Patriot/Moriarty: O Patriota) #11 – Impressões finais

Hora de “dar tchau”, ou melhor dizendo: Até logo ^^

Enfim chegamos ao final dessa 1ª temporada de “Yuukoku no Moriarty”! Foram 3 meses nessa saga de postagens, com alguns atrasos, mas que enfim concluímos a primeira parte ^^. O que posso dizer desse final é que ele foi bem mais morno do que eu poderia prever, porém em partes, isso é culpa minha hahaha. Vejamos mais no decorrer da postagem ^^


Já precisamos começar essa postagem com um assunto sério e de suma importância desse episódio: o Louis puto com o Sherlock chamando seu irmão por “Liam” foi IMPAGÁVEL! Que cena maravilhosa meu Deus do céu! Quase consegui ver o Louis pensando – “Quem esse desgraçado pensa que é?” hahahahaha. Aposto que a vontade dele de dar uma facada no Sherlock só aumentou depois desse show de intimidade não consentido. Na verdade, essa vontade de dar fim à criatura aumentou mesmo, pois mostram um pensamento dele em que assim que o Sherlock não tiver mais utilidade, ele organizará tudo para descartá-lo. Nossa, eu fico imaginando essa cena no mangá. Deve ser ainda mais cômica hahaha.

Tão fofo~~

E já que toquei nesse assunto, eu não sei se é apenas sensação minha, mas vocês também tem a impressão de que o Louis não é tratado da mesma forma que os outros dois irmãos? Eu sinto que o Louis está meio que um degrau abaixo do Sherlock e do Albert. Mesmo que o Moriarty seja o grande líder ali, considerando que ele é o grande mandante e articulador por trás de tudo, eu tenho comigo que mesmo assim o Albert está mais próximo do Moriarty do que seu irmão de sangue. Se lembram de quando o Moriarty expõe seu grande plano de transformar Londres em uma cidade do crime? O Albert não se assusta com isso, enquanto seu irmão sim, porém não como se o Albert soubesse desse plano. É uma questão de afinidade e de seus ideais estarem bem mais próximos. A sensação que tenho é a de que Louis é tratado meio como um servente. Essa suspeita já vem desde o episódio 3 quando eles estão saindo da mansão e o Louis pega o pedaço de madeira e queima a cara dele. Ele até diz “Isso é um agradecimento para vocês. (…) Como prova da minha decisão de que nós três continuaremos vivendo juntos”. Analisem e comentem haha. Não valorizam o reizinho, mas eu sim! :’)


Eu preciso dizer que estou me sentindo um completo idiota hahaha. Eu comentei no final da postagem do episódio 10 que queria muito saber como tudo que havia sido apresentando no episódio iria se conectar, incluindo o FERIMENTO do John, mas advinha? O John não estava ferido… Era só o sangue que estava nas mãos do assassino que trombou com ele… Ai como estou me sentindo idiota, mas enfim, gafes podem acontecer hahaha.

Outra coisa a dizer é que o assassinato do homem não envolvia o Moriarty. E o que mais achei legal nisso foi um certo senso de justiça do personagem, pensando no John que havia sido envolvido no incidente e que se ele não intervisse, sairia como culpado do assassinato. É muito legal ver isso aparecendo, porque mostra que ele ainda é justo com pessoas que nada fizeram. Mostra também mais uma faceta daquilo que já venho comentando há algumas postagens, que Yuukoku no Moriarty não trabalha com antônimos, por assim dizer. Seus personagens não são bons, maus, vilões, heróis… Eles são humanos, complexos e suas ações não dizem o completo de uma pessoa. Não há alguém que seja um Santo, que nunca fez nada de ruim. Seres humanos corriqueiramente agem de acordo com seus próprios desejos e a obra trabalha muito bem essa questão.

Três coisas a se dizer sobre o momento inicial em que o Moriarty e o Sherlock entram na cena do crime e todas envolvendo aspectos de direção: 1ª – adorei algumas coisas um tanto simples de decisões criativas, como mostrar quadros focando em evidências do assassinato (corpo, pegadas, maleta…), porque conforme iam explicando o que poderia ter acontecido para chegar ao ponto do assassinato, os quadros serviam como complemento e só de observar eles é deveras instigante para supor o que havia acontecido ali. 2º – que gostei da brincadeira visual na hora de fazer a “reconstituição” da cena do crime. Comentei outras vezes que apesar da produção não ter grandes sakugas, eles apostam em algumas coisas bem diferentes, sejam em ângulos ou recursos visuais que sirvam de complemento para a narrativa/situação narrada. E por fim, 3° – o ângulo que usaram dentro da cabine em que o corpo estava. Por diversos momentos a câmera ficou por cima. Gostei bastante, ainda mais que tinham as grades do cabine. Foi uma boa sacada de perspectiva ^^

De longe, o que mais me deixou ‘estupefato’ nessa história toda foi como o Moriarty está pelo menos 2 passos à frente do Sherlock na resolução dos casos. No arco anterior, nós apenas sabíamos que o Moriarty era o articulador, dando as ordens e vendo como o Sherlock iria reagir as mais adversas situações, só que sem grandes destaques nessas partes. Não víamos sua linha de pensamento na maior parte do tempo, apenas absorvemos conforme era sendo mostrado em tela para nós. Porém aqui foi diferente. Temos os dois em cena. Os dois pensando e indo em direções diferentes, muito embora semelhantes em suas formas de tentar solucionar o mistério. Enquanto o Sherlock estava pensando no primeiro passo dele, o Moriarty já estava no 3º. Tanto é que o caso só foi solucionado naquele momento graças às ações adiantadas do antagonista da obra que espalhou vestígios de sangue em partes do corpo/objetos dos suspeitos antes deles serem reunidos.

Por mais que o Sherlock seja talentoso e tenha um altíssimo potencial, o Moriarty ainda é mais ágil. Diria que o Sherlock é um pouco mais impulsivo nas suas ações, coisa que é até um reflexo de sua personalidade, muito contrário ao Moriarty que é mais estável, sempre calmo e com um plano em mente elaborado. A capacidade dele de processar suas ideias é impressionante. A mente dele é uma verdadeira máquina e imagino que ele deva ficar bem cansado haha.

Por fim, nessa parte do assassinato, é minimamente interessante que mesmo que soubessem que o cara estava mentindo sobre não ter assassinado o joalheiro, a desculpa dele de ter cortado suas mãos serviria para fazê-lo sair dali como inocente, afinal, não se tinham mais provas de que o cara era o culpado. Isso torna ainda mais legal a forma avançada de pensamento do Moriarty. Então John, se hoje você não está preso, é graças ao (lindo) Moriarty!

E não posso terminar aqui sem dizer que tanto o episódio passado como esse, tiveram cenários deslumbrantes! O jogo de cores, o uso de sombras, tudo muito bem feito. Moriarty, mantenha esse nível de produção no seu retorno, por favor! É tudo que eu te peço (mentira, mas vamos fingir).


Para um episódio final, ele funcionou muito bem! O encerramento foi “menor” do que eu esperava, porque fiquei muito hypado graças ao episódio anterior e acabei me empolgando demais. Todavia, como mencionei, o episódio funciona bem e tem um gancho deveras interessante. Será que teremos uma terceira ponta nessa história? Quem é aquela mulher e o que ela representa? Será rainha Elizabeth II mostrando mais uma vez que é um fóssil vivo? Serão 3 lados lutando por seus diferentes ideais nessa história? Teremos mais tensão sexual entre Moriarty x Sherlock? São questões que me deixam bem interessados para saber como essa trama continuará.

Não sei quem é você, mas gostei do seu olhar *-*

E antes de encerrar aqui, alguém que lê o mangá pode me falar em qual volume a adaptação parou? Vi algumas pessoas comentando que o anime cortou alguns arcos e como estou comprando o mangá, quero saber mais ou menos até onde essa 1ª temporada vai.


Enfim chegamos ao final da primeira parte dessa série de postagens sobre “Yuukoku no Moriarty”! Agradeço à todos que leram todas as postagens e que me acompanhou até aqui. Embora com atrasos, as postagens sobre o anime sempre foram muito bem recebidas :). O anime volta na Temporada de Primavera (Abril) de 2021 com mais 13 episódios e estou torcendo para que as vendas do Blu-ray/DVD serem boas, porque aqui é assim, pois nem saiu a 2ª temporada e queremos o anúncio da 3ª hahahaha. E é claro, estarei comentando episódio por episódio da segunda temporada, trazendo minhas opiniões sobre a animação, me empolgando de novo e de novo com a direção, e tendo surtos com a beleza de Moriarty (essencial) ^^

Último close nos olhos, pois é essencial!

Aproveitando para dizer que essa também é a última postagem do blog de 2020! Então também agradecemos (falando por toda a equipe) pelo apoio nesse ano que foi um desastre total. Contamos com vocês em 2021 \o/


Essa tensão é TUDO!!!
Há sempre alguém à espreita…

2 comentários em “Yuukoku no Moriarty (Moriarty the Patriot/Moriarty: O Patriota) #11 – Impressões finais

  1. Eu gostei demais do gancho que deixaram pra próxima temporada! A introdução do M***** foi bem impactante!!!

    E sim, cortaram alguns arcos (6 capítulos pra ser mais exato). Cortaram a adaptação d’O Cão dos Baskervilles, que ódio.

    Sem levar isso em consideração, o anime adaptou até o capítulo 16 (o primeiro do volume 5).

    Ja tô com saudades!!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s