Review de Yahari Ore no Seishun Love Come wa Machigatteiru. Zoku (Oregairu) 2ª Temporada

Nem todo ser humano é o que aparenta ser.

SINOPSE: a história acompanha Haciman Hikigaya, um estudante solidário que por percalços da vida, desenvolve uma personalidade analítica e pessimista sobre a sociedade humana. Tentando mudar essa visão distorcida do mundo, sua professora (Shizuka Hiratsuka) o coloca em um clube junto com Yukino Yukinoshita para ajudar outros estudantes de sua escola.

Continuação do post de publicado da season 1, mas agora o post é sobre a 2ª temporada de Oregairu. Clique aqui para ver o post de ontem. Fiquem com a segunda metade da nossa conversa. E comentamos semanalmente a terceira temporada do anime. O link do post está aqui.

EDIT: fizemos também a review da terceira temporada. (Link aqui).

RUB: Mas voltando para Oregairu, finalmente começamos a segunda temporada em que a produção melhora e a história se aprofunda mais nos personagens. Logo no primeiro episódio, já temos as consequências do arco final da primeira temporada. Eu me lembro na época que eu ainda estava me acostumando com a ideia da troca do estúdio. Só que nos primeiros minutos, já fui convencido que tinha mudado para MELHOR com as cenas iniciais. Até a direção teve um upgrade. Toda aquela ambientação estava mais concreta. E como era previsto, a classe isolou o Hachiman pelas atitudes dele. Justificável. Até a Yui hesita em falar com ele. E temos todo o plot da declaração do Tobe para Ebina. E mais uma vez o anime apostando no plot das “aparências”, só que com o grupo do Hayato. Com toda essa parada, lhe faço uma pergunta: Devemos ser 100% nós mesmos com todos os defeitos, doideiras, manias, temperamento quando estamos com os amigos, ou devemos tentar mudar um pouco a nossa imagem para conseguirmos se adequar ao grupo socialmente e ser aceito pela maioria? É uma questão complicadíssima já que envolve outras pessoas, e quais serão as suas reações a partir do nosso comportamento. O julgamento pessoal, principalmente no Japão, é um dos pilares para comunicação e formar alianças/amizades. Porém, sempre somos encorajados a sermos autênticos e verdadeiros. Só que até que ponto, a nossa personalidade será aceita? Devemos ser aquela pessoa que fala tudo na cara, ou que devemos esconder nossas vergonhas (e vícios) para construirmos uma relação de amizade ou amorosa mais fortalecida? Esse é o dilema da Ebina, do Hayato e da Yumiko. Até que ponto sacrificamos nós mesmo, para termos uma relação interpessoal com as demais pessoas? Um dilema complicado.

ALÊ: Realmente era o esperado. Só de ver como o Hayato ficou e vendo como todos estavam em relação ao Hikki nos momentos finais da primeira temporada, já dava para imaginar esse isolamento. Antes de mais nada, só queria dizer que não gosto do Tobe. NÃO SUPORTO A VOZ DELE!!! Ele começa a falar e eu já reviro os olhos. Tenho agonia daquela voz/jeito de falar. Mas eu ADORO a Ebina. Ela ficou MUITO na minha cabeça desde o começo do arco quando a situação começou a se desenrolar. Ela me chamava atenção, principalmente por causa do olhar vazio que ela tinha em alguns momentos. Manter as aparências é realmente um assunto complicado. O ser humano é uma criatura complicada e complexo. Envolvendo mais pessoas(um grupo de pessoas) vai ficando mais pior. Quando eu disse que a Yukinon ser direta demais pode ser um problema, entra nessa questão. Ela ser direta faz parte dela, mas pode magoar as outras pessoas. E eu imagino que todos nós, de alguma forma, tentamos nos adequar a um grupo ou a alguma situação seja em casa, no trabalho, na escola, enfim… Todos nós não podemos simplesmente ser como somos em 100% dos momentos. Não podemos dizer certas coisas para um chefe e causar demissão. Na família quando chega certos assuntos, gera problemas e até discórdia por você pensar de forma diferente. Eu tento me adequar em algumas situações, mas na escola, o que geralmente acontecia é de eu querer seguir uma imagem que os outros criam de mim, porque eles constroem essa imagem por eu ter feito X e Y. Então eu não posso simplesmente quebrar essa imagem. É algo que construí (involuntariamente) ao longo de vários anos. Acho que nunca vamos ser aceitos totalmente por sermos quem somos. A sociedade não permite isso. Tanto que é assim que nasce preconceito, quando algo sai fora desse padrão ou da norma que está imposto ali. É mal visto, é errado. Ser homossexual é errado, uma pessoa trans é uma anomalia, por assim vai. Para fechar aqui, a Ebina é uma das personagens de apoio favorita. Gostei bastante desse arco com ela.

RUB: Também gosto dela. E concordo contigo que dependendo do contexto que estamos inseridos, tendemos a nos moldar ao que nos rodeia para uma convivência mais fácil para todos. O que eu gosto desse arco é que todos querem manter o mesmo status quo, só que ninguém fala abertamente. O Hayato por acreditar que quando a declaração acontecer, o clima do grupo irá mudar e as amizades não serão mais como antes. A Yumiko por já conhecer a Ebina, quer que ninguém saia magoado e que gostaria conhecer mais dos seus próprios amigos (Ela comentar nos arcos seguintes que ninguém se “abre” com ela. Uma conversa franca que ela sente falta). Todos ficam no limiar e dentro do esperado. E a Ebina, pela sua falta de confiança em não se aceitar, pelo medo de todos descobrirem e a expulsarem do grupo, tem receio que a declaração aconteça. O que mais fode o rolê é o Hachiman foi o “pinico” da situação, tendo que ouvir todos os lados da história. Até no primeiro episódio dessa temporada, ele se pega olhando fixamente para o grupo do Hayato. Mais adiante, ele chega na conclusão que estava em busca da resposta do que é uma “amizade verdadeira”. Aqui que começa o maior conflito dele em tentar entender o valor de uma amizade. Todos ali queriam uma solução que não afetasse ninguém e que não teria como resultado conflitos e mágoas. Só que é impossível fazer isso, visto que não se chega a um resultado se não tiver brigas, conversas, reuniões para discutirem sobre o assunto em questão. Todos estavam evitando e queriam que acabasse com os menores danos possíveis para todos. Não tinha jeito, a não ser o Hachiman tomar no rabo novamente para o bem deles. O Hayato até se desculpa para ele ter que se sacrificar, mas estava claro o que deveria ser feito e ninguém levantou a mão no momento chave. Só que agora, os danos também foram para o trio principal. Ambas as gurias já tem um apreço pelo Hachiman. Óbvio que vê-lo se ferrando não gera um sentimento agradável. E principalmente para Yukino que não gosta de fugir dos problemas pela tangente. Ela prefere encarar de frente e ter várias brigas para achar a solução, do que ser o alvo/inimigo de todos para satisfazer a maioria. Não daria certo de nenhuma forma.

ALÊ: Revendo o episódio 2, descobri o que gosto na Ebina hahaha. Consigo me ver nela (gente eu sou fodido, não precisa de muito para eu me ver em algum personagem, por isso é tão recorrente xP). Lembro que quando conversávamos sobre ela, você me perguntou algo como “Quem é a verdadeira Ebina?”. E enquanto eu revia o segundo episódio dessa temporada, a Yumiko falou algo importante “A Ebina não gosta de falar dela, então eu não pergunto”. Ali eu rapidamente me lembrei de uma situação que eu estava, o caso não convém em ser dito, mas digamos que eu estava em uma situação em que eu seria a Ebina e minhas amigas seriam a Yumiko. Eu estabeleço um limite de até onde alguém pode chegar. Quando alguém tenta cruzar essa linha sem a minha permissão, eu tenho uma forte tendência a querer me fechar com a(s) pessoa(s). E sobre a pergunta que você tinha me feito, fiquei pensando e repensando sobre ela e cheguei a conclusão de que eu acredito que parte daquela faceta de “fujioshi surtada” seja verdade. Ela gosta de BL, mas força e se exalta para manter distância das pessoas. A Yumiko disse que a Ebina é bonita de boca fechada. Então aquela fã surtada por BL, foi a máscara que ela criou para manter os garotos distantes dela. Eles tem uma deficiência de comunicação e todos sentem algo ali, mas ninguém abre a boca para dizer por medo da reação do outro. Dentro do arco a gente vê que o pedido da Ebina era para evitar a declaração do Tobe. Todos querem manter o mesmo clima do grupo (e eu acho que a declaração e, posteriormente, a rejeição da Ebina para o Tobe, iria mudar esse clima no grupo). O Hikki é o envolvido e a “postura” dele de querer resolver as coisas do seu jeito, porque se ele se sacrificar não vai fazer diferença para ninguém, vai ferrar ainda mais com tudo. O que a professora disse no fim da primeira temporada bateu forte aqui. Cara, esse grupo é muito errado. Lógico que a forma que o Hikki faz as coisas não é a melhor, mas sei lá. O grupo do Hayato às vezes me causa “desconforto” que não sei explicar. Talvez seja revolta com a situação, raiva pela falta de diálogo e pelo fato de que ninguém quer ter que perder nada para chegar em uma solução. Talvez o relacionamento superficial deles? Acho que sim, mas talvez tenha algo a mais…

RUB: E em relação a pergunta que eu fiz para ti, era uma instigação para uma reflexão sobre o que achamos das pessoas, dado aos nossos preconceitos. A Ebina consegue só se abrir com o Hachiman. Ela acha mais fácil fazer uma confissão para um estranho do que para amigos. Uma dificuldade de se abrir latente aqui. Em paralelo, o Hachiman também mentindo para si mesmo por “não” depender dos outros e de ser um lobo solitário. Já dá para perceber que está tudo dando errado quando no próximo arco, as brigas entre a Yukino e o Hachiman não são mais discussões irônicas e diferenças entre as personalidades. Agora são brigas de ideais. “Você está errado por não seguir meu estilo.” ou ” Mas você está resolvendo tudo com mentiras e congratulações de ego.” Estava no nível pessoal. Os dois são muito cabeças duras. Compreensivo dado ao passado dos dois e como sofreram pela exclusão social na infância. Entretanto, eles estavam irredutíveis. Nenhum dos lados queria ceder e admitir a “derrota”. E o pedido da Iroha em fugir da eleição do conselho estudantil só jogou mais lenha na fogueira. Falando nela, mais uma personagem que vive nas aparências, só que para ficar popular e chamar atenção do Hayato. Aqui, a imagem para ela é tudo. E quando a Iroha percebe que o Hachiman está cagando e andando para sua situação, ela fica mais confortável em ser como ela é realmente. Como é difícil alguém pedir ajuda no trio principal, os três estavam envolvidos no pedido, porém nenhum dos lados escutaram o outro. Todos tinham seus interesses, inclusive a Yui, e cagaram para a Iroha em certo ponto. Ela ser a presidente ou não, já não importava. Só interessava em que alguém tinha que vencer e provar seu ponto. Quero destacar também que a partir desse momento, a Yui também começa a mostrar sua verdadeira persona. Até a Kaori dá as caras nesse arco (outra personagem que você ADORA ALÊ XP).

ALÊ: Realmente, o final do episódio ela explica as coisas e até comenta que talvez desse certo ela namorar com Hikki por ela conseguir se abrir com ele. “Ela acha que é mais fácil fazer uma confissão para um estranho do que para amigos.”. Consigo compreender isso MUITO bem haha. E pois é, as discussões são mais “ácidas”. Cada um com seu modo de ver e agir sobre as situações. Quando a Iroha aparece e fala do problema em questão, os dois estavam em uma “disputa”, tanto que a Yukinon se exalta ali e todo mundo que estava presente olha espantado para ela. Enfim, os dois tiveram passados bem complicados de formas diferentes, mas isso fez com que eles sejam quem são hoje. Enquanto a Yukinon se tornou direta, o Hikki assumiu a postura de solitário e aquele que sabe como os outros se pensam/sentem (ou pelo menos acha isso). Parando para pensar, diversos personagens mostram quem são para o Hikki: a Iroha, a Haruno, a Ebina, até o Hayato são personagens que se abriram de alguma forma para o protagonista. A Iroha só não entrou na minha listinha de “RANÇO de personagens de Oregairu” porque ela muda mais para frente. Acho muito ruim viver de aparências, às vezes somos até forçados ou nos forçamos a manter as aparências por causa de uma situação ou pelo meio que estamos envolvidos. A Iroha e a Yumiko assumem posturas/jeitos só para chamar a atenção do Hayato, mas ele não quer isso. Ele foge para manter as coisas como estão. A Yui cresce bastante. Lembro de ter falado contigo que fiquei até surpreso com a decisão dela de concorrer a presidência estudantil. Não era algo que eu esperava da personagem (estereótipo sendo desconstruído). Ah Kaori… respira fundo… O pessoal que está lendo esse post deve pensar que eu sou um saco hahahaha. Já deve ser o quinto personagem que eu falo que odeio.

RUB: Mas aí eu estou contigo. Não suporto a Kaori. Acho insuportável a voz dela e jeito de falar. Ela fala muito em um tom debochado e burro o tempo todo. Não sou fã desse tipo de pessoa. Achei merecido o tranco que ela toma do Hayato no encontro. Ela estava detestável com seus comentários. E a Haruno batendo ponto novamente só para jogar lenha na fogueira, mas foi com essas participações dela, que também descobrimos quem é a Yukino. Comentei no comecinho da nossa conversa (de ontem) que as aparências enganam demais. Vamos descobrindo aos poucos que a Yukino tem aquela personalidade imponente, mas que é só uma armadura para ela aguentar a pressão e que no seu intimo, ela é uma pessoa bondosa e frágil de certo modo. A família dela toda rígida e muito tradicionalista, a sufoca, tendo que se espelhar na irmã para “sobreviver” naquele ambiente (vai ser mais explorado na terceira temporada). Enquanto a Yui faz o processo contrário, em que ela parece toda a inocente, só que mostra determinação e um certo nível de egoísmo em um momento da história. Há uma troca de cadeiras dessas duas personagens no decorrer da temporada. Como o próprio Hachiman comenta, ele julgou as duas e projetou algo que nunca existiu para conveniência situacional. O que eu mais gosto desse arco da eleição é o final. É um soco na cara do Hachiman. Ele arma todo aquele plano, engana a Iroha, só para manter as coisas como estão no clube, igualzinho ele fez lá com o grupo da Ebina. Só que a ex-presidente comenta, de maneira bem despretensiosa, que pensava que o trio IRIA SE TORNAR O NOVO COMITÊ DO CONSELHO ESTUDANTIL DA ESCOLA. E se pararmos para pensar, era a MELHOR solução de longe. O grupo não seria desfeito, ainda ficariam juntos só que fazendo outras atividades. Porém, todos os três estavam olhando para seus próprios umbigos e desejos, quiseram manter do jeito que está. Ninguém pediu ajuda ou falou com alguém de fora. Se tivessem escutado conselhos, aquela ideia iria surgir sem precisar colocar a Iroha no meio e mentir para todo o quadro de discentes daquela escola. Quando o Hachiman escuta essa ideia, ele só pensa: “Será que fiz a escolha certa?” Mais um problema jogado para debaixo do tapete, só que agora envolvendo ele diretamente.

ALÊ: OBRIGADO MEU SENHOR!!!! O jeito dela de falar é insuportável. Sempre falando a porra da MESMA frase “É mesmo, não é?!”. E depois na reunião das duas escolas para decidir o que fazer no Natal, ela sempre fala “Faça isso!”. Ai que ÓDIO. Ela força DEMAIS a coisa toda. É o tipo de pessoa que não gosto. Eu ri quando o Hayato falou aquilo delas hauhau. Merecia MUITO mais! Adoro a Haruno por ela bater onde incomoda. O que ela diz sempre acaba tendo efeito, mesmo que seja algo curto. Tanto que quando ela aparece, eu já penso: “EITA! Que bomba será que vem??!!!!”. Por exemplo no encontro, ela vira para o Hikki e diz “Você consegue ver através de tudo, né?”. Uma frase curta, mas você já sente o impacto dela. Amo a Haruno (e ela continua me assustando haha). E realmente, esses papéis vão se invertendo. Eu gosto de como Oregairu sempre trabalha com aparências e consegue construir isso muito bem, para depois mostrar que tem algo a mais por de trás. Eu adoro. Falando em como Hikki projetou ideais nas duas, lembro que no cinema, ele percebe que a paixão que tinha pela Kaori, foi algo que criou baseado em uma imagem que projetou para si e que aquilo nunca existiu porque sempre foi o jeito dela de ser. Para você ver como a resposta estava na cara deles, mas eles não enxergaram. É bem como você disse que ninguém estava disposto a ouvir o outro e que tudo poderia ter sido resolvido de maneira simples e rápida, porém não ocorreu. Ninguém quis ouvir ou estava disposto a ouvir outra pessoa. A Yukinon confronta ele na sala do clube se as decisões dele resolvem o problema de fato. Ela fala se aquilo não é ser superficial, ainda mais para ele que vive reclamando de relacionamentos superficiais/rasos. O Hikki vê o outro, mas não vê a si mesmo por assim dizer. Nessa forma dura de ver as coisas que ele até discute com a sua irmã. Mas as coisas são diferentes entre irmãos e pelo menos naquela situação, ele começa a perceber certas coisas.

RUB: E quando ele começa a perceber o que está fazendo de errado, temos o melhor arco de todos. PUTA MERDA, FICO ARREPIADO SÓ DE LEMBRAR. Como é de conhecimento comum, é complicado reconhecer e identificar os nossos erros. Natural do ser humano justificar até mesmo quando todos dizem que estamos errados ao fazer algo. E o anime já começa a bater na ferida quando mostra que a Iroha é uma incompetente como líder e não serve como presidente do conselho no primeiro festival. Não tem outra forma de remediar, pois fica claro as inimizades dentro do grupo que ficam subordinados a ela. Como o Hachiman originou a situação e por sentimento de culpa, decide ajudar. Mas como a onda de merda nunca vem separada, a Rumi retorna para lembrar que o problema dela ser sozinha ainda não foi solucionada. Vai piorando a medida que vai passando e novamente, TODO MUNDO FOGE DOS PROBLEMAS. O ‘mãozinha’ lá (esse eu faço questão de não lembrar o nome), gesticulando e articulando como se estivesse tendo espasmo com seu vocabulário complexo e redundante, a Yukino cada vez mais se isolando, assumindo uma postura conivente, aquelas reuniões em que todos só sugerem coisas, mas nenhuma ideia é aprovada, o grupo estudantil aceitando tudo de forma passiva, a Rumi se conformando com a sua condição de solitária…. Está tudo indo para o caralho. Estava indo ao rumo que o Hachiman ODIAVA que era a mentira. A ilusão passou a ser aceito e todos estavam dançando conforme a música, ou como ele próprio comenta, “o sorriso da Yukino parou no tempo”. E graças a Deus temos a professora para salvar o dia e dar dicas dando a sua experiência de vida. Quando finalmente, temos o episódio para fechar esse arco de auto descoberta do Hachiman. Também com todas as ‘calls’ certeiras da Shizuka, não tinha como ter equívocos nessa altura do campeonato. Ainda assim, ele resiste a ideia de se abrir com as suas duas amigas. E reconhece-las como amigas também foi difícil, visto que o orgulho dele era por conseguir fazer as coisas tudo sozinho. Mas quando temos o desabafo dele, que MEU DEUS, FODA PARA CARALHO. A dificuldade de se expressar, os detalhes de nervosismo, como ansiedade e apreensão, e admitindo que ele procura uma VERDADEIRA AMIZADE, SEM MENTIRAS, OU OMISSÕES, É TÃO FANTÁSTICO. É CATÁRTICO ter essa recompensa e ver na tela acontecendo. ESSA CENA ME COMOVE TANTO. FODA DEMAIS.

ALÊ: O PIOR episódio de Oregairu hahahahahaha (isso é uma ironia tá?!). Essa questão da Iroha ser incompetente no começo me incomoda pacas. Eu estava com uma puta dó dos outros membros do conselho pela quantidade de trabalho que ela só estava pegando e repassando para eles. A curto prazo, as ações deles pareciam não ter tanta importância assim, porque ao que dava a entender, jogar para debaixo do tapete já era o suficiente. Mas aquilo começou a acumular a longo prazo e é nessa situação que a coisa desanda de vez e vem tudo. E aqui entra em cena o último personagem (até o presente momento é o último) da minha lista de ranço. Eu tinha agonia dele mexendo aquelas mãos. AAAAAAAAAAHHHHH, que raiva eu tinha daquilo. E o pior que era só pose daquela criatura. Não tomava a liderança porque não queria assumir a responsabilidade caso não desse certo. E foi duro ver aquela expressão da Yukinon. Dava para ver que era forçado. A expressão dela era realmente congelado. Aquilo que você disse sobre a professora lá no começo da nossa conversa, sobre ela ser um alívio cômico inicialmente é bem verdade. Adorei como ela muda desde do final da primeira temporada e como ela segue assim nessa segunda temporada. Ela foi fundamental para o Hikki compreender as coisas no oitavo episódio. Gosto de como ela vai dando um conselho aqui e ali, até que chega o momento (no episódio 8) e o Hikki finalmente saca a coisa toda. Adoro quando ela diz para o Hikki “Você é bom para ver como as pessoas pensam, mas isso não significa que seja como ela realmente se sente” (algo assim). Isso é muito (mas MUITO) verdade. E quanto a ele ainda mostra resistência em se abrir, lembro dele refletindo sobre como resolver os problemas e pensa em pedir ajuda, mas logo em seguida já vem com um “Mas por que eu já estou tentando depender dos outros?”. E na sala do clube quando ele finalmente vai falar com as garotas, quando ele diz quase chorando que quer algo verdadeiro, eu fiquei bem emocionado. FOI LINDA DEMAIS A CENA!!!! E logo depois nós vemos a confusão total que a Yukinon está, que não entende tudo aquilo. O Hikki ficar estático e exita sobre ir atrás dela ou não, que fez eu ficar preparado para surtar, porque achei que ele não ia ir atrás dela, mesmo com a Yui dizendo para eles irem. No momento era eu assim: “PORRA! Tu não vai dizer? É agora ou nunca CARALHOOO!!!!”. No fim, eles foram, a Iroha ainda ajudou (pontinhos para ela) e eles conseguiram conversar. Até porque, a falta conversa entre eles era um dos problemas.

RUB: E olha que não sou de me emocionar com facilidade, mas toda vez que revejo essa cena, meus olhos lacrimejam com facilidade. Admitir que erra é o primeiro passo. Agora corrigir e perder o hábito de fazer as coisas erradas que é o mais difícil. Não adianta muito só falar. E dá para perceber que mesmo ele reconhecendo que deve mudar sua personalidade, o Hachiman ainda mantém sua essência. Ele próprio reconhecer o que fez de errado já foi um grande feito para uma pessoa tão cabeça dura. Só que abandonar seu lado pessimista não é simples. Tanto que no episódio seguinte, o relacionamento dos três ainda está travado (por outros motivos, porém ainda tem uma parede invisível os dividindo). E todo o passeio no parque de diversões é um refresco. O Hachiman até nota que não precisa se espelhar em outras amizades para construir suas próprias. O grupo do Hayato deixa de ser um modelo a ser seguido e o Hachiman decide por si só, tentar achar o caminho ideal para construir algo verdadeiro. A Iroha também muda de mentalidade ao escutar o discurso dele no episódio 8. Todos os quatros passam a refletir o que eles devem almejar para fortalecer seus relacionamentos. Os mais perdidos nesse sentido são o Hachiman e a Yukino. Talvez pela inabilidade de ambos em interação e ouvir o próximo. E graças ao pedido de ajuda, tudo se soluciona para a festa de natal entre as escolas e o problema de aceitação da Iroha deixa de ser um obstáculo a ser ocultado. Só que ainda falta o pedido do Hachiman a ser atendido. E como resolver um problema de “algo verdadeiro” sem trazer outros aspectos para a parada? Nessa altura do campeonato, todos os três querem a mesma coisa, só que apenas 2 deles vão ser atendidos. Alguém vai sair ferido. E todos, intuitivamente, notam e voltam a esconder algumas coisas uns dos outros. Tanto que no próximo arco, a Yukino é a que mais tenta fugir da óbvia resposta que está na cara dela. No momento em que ela encontra a mãe no restaurante e no dia da corrida quando o Hachiman se machuca, ela sabe inconscientemente o que precisa ser feito. Só que ainda tem o medo de enfrentar seus problemas familiares e admitir seus sentimentos pelo Hachiman. Muito do receio vem da amizade que ela tem com a Yui. E apesar deles saberem o objetivo, como chegar ao final sem machucar o próximo?

ALÊ: Adimitir foi muito importante, mas mudar não ocorre de uma hora para outra. Se vai mudando aos poucos. A maneira que ele vai interagindo com elas e que tem que ir mudando seu jeito, ainda mais que o jeito dele de ser foi construído ao longo de muitos anos, tem que ser levados em consideração. Eu gosto de como a Iroha muda depois de ouvir o discurso do Hikki. Ela não só toma a iniciativa para se declarar para o Hayato e participa ainda mais na resolução do arco de natal. Foi MUITO bom ver que ela tomou a frente na festa de fim ano e foi gratificante eu diria. Ver ela realmente assumindo o cargo que ela pegou e claro, por essa mudança de atitude que ela não entrou na minha listinha de odiados XP. E antes que eu esqueça, foi ótimo de ver eles colocando um ponto final naquelas reuniões que não chegavam a lugar algum. E antes de finalizar essa parte do arco, a resolução para a Rumi, ainda bem que conseguiram dar um jeito. A expressão dela quando o Hikki oferece ajuda e quando ameaça ir embora, foi bem triste. Mas que bom que ele conseguiu dar um jeito e espero que ela fique bem daqui para frente. A Yukinon não quer machucar a Yui e com isso, atrapalhar na amizade deles. Eu lembro do que a professora disse para o Hikki que inevitavelmente alguém vai sair machucado. Tentar entrosar ou não fazer, pode magoar e alguém sair machucado na história. De novo vem a questão de enfrentar o problema. Tanto que a Haruno, no último arco chega e pergunta para eles “Esse é o “algo verdadeiro” de vocês?”. Não vai adiantar fugir desse assunto.

RUB: Ali no evento do dia dos namorados, todos sabiam os sentimentos uns dos outros. A Yui já sabia o que a Yukino sentia e o Hachiman já sabe o sentimento das duas. Por isso que ele fugia e a Yukino ainda negava para si mesma. A Yui não aguentou e depois do evento decidiu que no dia seguinte, era para deixar evidente que ela estava na disputa também. Ela organizou toda a visita naquela parque aquático para, digamos, ser o último encontro do três antes de suas relações mudarem completamente. Só que me surpreendeu dela ainda não verbalizar seus sentimentos. Fica tudo no subentendido e nas entrelinhas. No momento que ela se declarar, tudo pode desmoronar. Ela sabe que a Yukino tem diversos problemas e a Yui quer a solução deles o quanto antes, para que ambas possam “disputar” em pé de igualdade o amor do Hachiman. Foi a Yui que demonstrou iniciativa para que o grupo não retorne como estava antes e progrida, de alguma forma, o seu status. E justamente foi a guria que o Hachiman acreditava ser a “bondosa” do grupo. A cada comentário que ela ouvia: “Muito a sua cara Yuigahama.” ou “Muito bondosa da sua parte.”, estava a incomodando. Legal é que a confusão toda começou com a fuga de uma confissão para evitar problemas para a Ebina. Agora é mais uma confissão que está movimentando o trio em busca de resposta. E se quiserem algo verdadeiro como a irmã da Yukino jogaram na cara deles, a declaração de amor faz parte desse processo. Vão ter que se abrir para que achem o que os três tanto procuram.

ALÊ: Sobre um saber os sentimentos do outro, vai ficando mais e mais evidente depois de um certo momento. Adoro como nada é dito de forma verbal. Não precisa disso. É algo que você mesmo percebe, ora é mais descarado, ora é mais nas estrelinhas. Revendo o episódio 12, o Hikki conversando com a Haruno e mandando “indireta”, falando que o que a Yukinon sente não é confiança. É algo mais profundo. O Hikki pergunta o que seria e ela responde “Quem sabe…”, com aquela expressão de malícia na cara. Eu gosto de como a Haruno joga lenha na fogueira, mas eu vejo como algo necessário as vezes, para poder fazer o conflito ser visto e enfrentado. Ela dá as pontadas certas nos momentos certos. Em momento aqui do episódio 12, a Yui tenta disfarçar o clima que ficou entre a Yukinon e o Hikki. E ainda falando da frase dita pela Haruno para eles, até diz que eles estão bem sem graça e é justamente por eles estarem fugindo, que a barreira entre eles cresce. Até então, eles levantavam as coisas para serem discutidas, mas nesse ponto, parou ali (por isso eu digo que as pontadas que ela dá, são importantes). Gostei dessa parte da Yui, que poderia ter jogado ali, mas preferiu segurar as coisas porque ela quer ser “justa” com a Yukinon. Esse é um verdadeiro efeito dominó. Uma coisa vem levando a outra até chegar onde estamos. Essa deve ser a “última lição” para eles. Estou ansioso para o que vem por aí na terceira temporada. Estou com boas expectativas e vamos ver como a Yukinon vai ser trabalhada, já que o próximo arco tem ela como foco.

RUB: Também estou com altas expectativas, até porque eu sei o que está por vim e sei que teremos algumas surpresas no decorrer da terceira temporada. Inacreditável que estamos próximo do final da história. Demorou, mas finalmente teremos a versão animada. Estou ANSIOSO DEMAIS para que estreie logo a nova temporada de Oregairu. Menos de 1 semana Alê. E como não podia ser diferente, as minhas expectativas não podiam ser diferente do que não ser ALTAS. E para quem ainda não viu o anime e decidiu ler essa baita conversa nossa, fica a dica e assista Yahari Ore no Seishun Love Comedy wa Machigatteiru. Fica a nossa recomendação.

ALÊ: Quero muito ver quais diretas que a Haruno ainda vai dizer. Digo que ela assusta, mas eu me divirto horrores ao mesmo tempo hauhau. Eu não sei o que virá, mas será uma das minhas grandes apostas para abril. Estou animado demais e só espero não atrasar o anime enquanto vejo a temporada. Já estou vendo que terei quase 20 animes para ver, mas vou fazer ao máximo para mantê-lo em dia ^^. Recomendo Yahari Ore no Seishun para vocês. Podem ir que é sucesso. E esse post rendeu hein!?. Esse é o segundo dia que estamos escrevendo só para vocês terem uma ideia do tamanho que ficou hahahaha. Como consideração final, eu quero dizer que AMO a voz da Yukinoshita Yukino. Não esperava menos dessa dubladora maravilhosa que é a Saori Hayami (ela dubla a Yumeko, de Kakegurui), Perfeita demais. E eu adoro o esquema de nomes da obra, são muito fáceis de lembrar, Yukinoshita Yukino, Yuigahama Yui, Hikigaya Hachiman, Hayama Hayato etc. Adorei.

Assim terminamos as reviews das temporadas passadas de Oregairu. Ainda estou triste por ter sido adiado a terceira temporada, mas ainda dá tempo para quem ainda não assistiu o anime, ver as duas temporadas porque é um anime que quer mostrar algo além de uma comédia escolar tradicional. A recomendação é de amigo xD.

18 comentários em “Review de Yahari Ore no Seishun Love Come wa Machigatteiru. Zoku (Oregairu) 2ª Temporada

  1. Eu assisto Oregairu de novo antes de começar a terceira temporada (já que eu não lembrava de nada) e nossa, eu tinha esquecido o quanto de ódio e desespero eu fiquei quando acabou a segunda temporada pq eu não tinha entendido nada, ai de novo eu ré-assisti desde o episódio 10 da primeira pela terceira vez, dessa vez eu entendi um pouco mais, mas sem ter certeza de nada, apenas no achismo. Muito obrigado pela análise, eu sinto que fui iluminado de sabedoria e tirei aquele maldito peso de não ter entendido de uns 4 anos atrás. Agradeço vocês por terem feito isso. Agora vou ir assistir a terceira

    Curtido por 1 pessoa

    1. Opa, estamos juntos meu jovem.
      Fique tranquilo que é realmente assim para a maioria da galera. Oregairu não é uma obra simples que dá para ver apenas um vez e entender tudo. Eu mesmo toda vez que reassisto pego algum detalhe que eu não tinha captado anteriormente. Até li as novels, mas ainda consigo pegar uma outra parada que está no subtexto e que eu não tinha entendido nas outras vezes que eu li ou vi a versão animada. Pelo menos agora você está empolgado para ver a terceira temporada. A dica que eu dou é que essa última temporada, menos coisas acontecem, porém mais subtextos são expostos nas falas dos personagens. Veja a evolução deles até onde passa essa temporada, que você terá uma recompensa de satisfação por ter acompanhando toda a jornada do Hachiman, da Yukino e da Yui. E se ainda quiser uma segunda visão dessa season final, aqui no blog também comentamos a terceira season. Analisamos episódio a episódio e tentamos entender os detalhes da última temporada.

      Fico feliz que tenha gostado e te ajudado de alguma forma. 😀

      Curtir

  2. GOSTEI MT, ME FEZ ENTENDER UM POUCO MAIS A HISTÓRIA E AS RELAÇOES DE CADA PERSONAGEM ALÉ DE ME DEIXAR TOTALMENTE HYPADO PRA 3 TEMPORADA, d vdd obrigado, odorei o q vc escreveu, ter uma segunda opinião de outra pessoa é mt bom (estou bem atrasado, sim eu sei), mas mesmo assim tive q dizer o quão bom foi ler tudo isso.

    Curtido por 2 pessoas

    1. Valeu mano. Fico feliz que tenha gostado do post. Oregairu é um anime muito bom para discutir com amigos e outras pessoas sobre suas impressões depois de ter assistido ele. E como a obra aborda muito o lado intimo e pessoal de cada personagem, torna toda a narrativa bem mais profunda do que a maioria dos animes do mesmo gênero costumam fazer. Torço para que você curta a temporada final do anime, porque eu fiquei satisfeito com o que eu li/vi. Inclusive tem posts comentando todos os episódios dessa última temporada. Eu e o Alê destrinchamos o anime por completo e ainda fizemos uma review geral para fechar. Então terá um prato cheio para você ter mais de uma visão sobre o arco final de Oregairu. xD

      Valeu mano.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s