Darwin’s Game #1 – impressões (quase) semanais

Que anime… QUE ANIME!!!!

Começando a temporada de Janeiro/Inverno de 2020, já avisamos que nós vamos tentar comentar alguns animes semanalmente. Esses animes ainda não foram decididos exatamente, mas acredito que teremos pelo menos 4 animes sendo comentados, alguns podem acabar sendo comentados de 2 em 2 episódios ou até 3 em 3. Por isso o “quase” no título do post. Não poderíamos abrir essa temporada com outro anime senão “Dawin’s Game”, a grande pérola dessa temporada (vale dizer que tentaremos fazer esse tipo de post com todas as pérolas de todas temporadas). Como vai ser de costume daqui para frente, esse post é novamente escrito por mim (@alexsanderluiz58) e pelo @rubnesio. Sem mais delongas, vamos lá ^^.

Sinopse: Na história, Kaname, nosso querido protagonista recebe um convite para um misterioso jogo de smartphone. Assim que ele o instala, ele acaba envolvido em um jogo onde cada jogador usa de habilidades especiais dadas pelo jogo, para lutar um contra o outro. Agora o protagonista tem que descobrir o que está acontecendo, e como parar o jogo, enquanto tenta sobreviver na guerra até a morte entre os players.

  • Impressões do episódio:

Alex – Se me perguntassem quais eram minhas expectativas para “Darwin’s Game” eu diria que esperava por algo maravilhosamente RUIM, porém, o anime conseguiu superar minhas expectativas e SURPREENDER com o quão RUIM é esse lixo!!!

Rub – Já falo que quase dormir sentado vendo o episódio. Quase 50 minutos de um tédio inacreditável. E olha que o anime tenta naquela cena inicial, onde o amiguinho do PROTA (desculpa pessoal, mas decorar nomes no primeiro episódio é impossível para mim), estoura o pescoço semelhante a um Champagne de final de ano. E olha que vou falar que foi a melhor cena do anime, porque de resto, é só o EDGY pelo EDGY.

Alex – HAHAHAHAHAHAHAHA GRITO. Essa cena inicial me lembra um filme de terror. Todo filme de terror tem uma cena inicial com alguém aleatório se ferrando, só que diferente de muitos filmes em que essas cenas funcionam, aqui não funcionou em NADA. Esse episódio, como você mesmo disse, é EDGY pelo EDGY. Os exageros visuais, aquele sangue jorrando como uma mangueira desgovernada… Consigo até imaginar as reações de um certo YouTuber SÁDICO.

Rub – Realmente pareceu muito com um filme B de baixo custo de produção. E normalmente a sequencia inicial é para situar o espectador sobre o que está acontecendo ali. Só que no final, tudo o que acontece é confuso e te deixa mais perdido do que se não tivesse aquilo. Todo o ocorrido só serviu para explicar COMO o PROTA brotou ali com o convite do amigo. E que AMIGO FILHO DA PUTA que manda um convite para o parceiro participar de um jogo de VIDA OU MORTE!

Pior que tinha uma lista ENORME de contatos no celular dele e o cara me solta essa…

Alex – Verdade hahahaha. Como um amigo desses, quem precisa de inimigos?! Acredito que o “normal” em uma situação dessas seria convidar o seu inimigo, ou se o roteiro fosse um pouquinho mais inteligente, colocasse um inimigo do protagonista mandando o convite para ele jogar o jogo. Acho que o pior dessa cena inicial, é que ela apresenta o Panda (enviado diretamente de “A Morte te dá Parabéns”) como um inimigo forte e inteligente. Só que isso é totalmente jogado fora para, como de costume, para exaltar as habilidades que o Kaname (fui procurar o nome dela agora, decorar nome também não é para mim XP) tem.

Rub – Ele pareceu super indestrutível e um inimigo difícil para ser abatido. Só que era um humano maluco que estava entediado com o trabalho e decidiu matar geral. Já sabia que não teríamos desenvolvimento de personagens nesse anime, porém me jogar essa informação que a vida do cara que estava por debaixo do urso é miserável não serviu para nada. Morreu e pensei: “Foi tarde e ainda estamos no meio do episódio.” E tem o outro colega dele que tentou alertar o Kaname sobre os perigos do jogo. Só achei que ele precisava ser mais incisivo na abordagem e já chegar falando: “Maluco, você se fodeu! Se proteja dentro de casa.” Ele só saiu da escola sem dar os avisos e fim da “preocupação” dele.

Alex – Disse os fatos. Na cena inicial, o Panda chegou como um vilão incrível, desviou dos ataques, fez isso e aquilo. E no fim, que merda… Essa informação de achar a vida entediante foi tão jogada ali que só me perguntei o porquê de estar ali. Não teve serventia alguma. Nem para forçar drama serviu. Hahaha verdade, o episódio rendeu demais. Toda vez que eu olhava o tempo eu pensava “nossa, assisti 1/8 do episódio”, “já foram 10 minutos, faltam 37”. Quando chegou nos 10 minutos finais eu já estava glorificando. A cena antes do Kaname entrar no jogo também foi assim. O amigo fica “parado”. Ele só vai falar alguma coisa quando o Kaname aperta no ícone de iniciar basicamente. O cara em vez de dar um chute no celular, NÃO! Ele fica lá parado… Não passa sensação de perigo inicialmente. O cara em vez de explicar logo enquanto estão juntos, ele prefere deixar para de noite. Ai roteiro, por quê??? E o Kaname “assina” a dispensa porque se você reparar, ele não chega a assinar o papel *risos*. Antes dele começar a assinar, a caneta cai da mão dele. Depois ele pega e entrega o papel para a enfermeira e é como se ele realmente tivesse assinado o papel. Na cena seguinte o papel está até em branco.

Rub – Temos a amostra do poder dele (diga-se de passagem, já dá para ver os ABSURDOS que o autor vai poder criar com isso), como essa parada da caneta e tipo… ele mal viu a caneta e conseguiu clonar o negócio? Pensei que ele precisasse ter mais informações para criar os objetos com o seu poder e não um segundo depois e PÁ, já está lá, o utensilio pronto criado 100%. Mesma coisa quando ele cria a arma. Eu pensei:
“O cara é PROFISSIONAL igual ao John Wick. Consegue replicar até a pólvora das balas”.

Alex – Ele vai ser o típico “protagonista FODÃO” que meio mundo vai amar por “impor respeito” (ranço). Sobre a caneta, de fato, o que deu a entender é que ele precisa mentalizar o objeto para replicar, mas isso soa tão forçado com aquela caneta, que ele quase não OLHA PARA A CANETA. Ainda que ele, naquela situação, clonasse uma caneta comum, até valeria, já que ele claramente não prestou atenção na caneta personalizada. Seria mais fácil de engolir se fosse uma caneta com algumas diferenças da original. Com isso nós já conseguimos ver o quão mal pensado é esse poder dele. Não é bem explorado e ali é só um recurso para ele ser o tal “Protagonista FODÃO”. Falando nos poderes dos outros, de uma forma geral, até agora só teve poder qualquer coisa Meu deus do céu! O autor não deve ter se esforçado em NADA para pensar nos poderes desses personagens iniciais, já que eles foram descartados nesse episódio. 1 conseguia atirar a lâmina de um estilete (???), o outro ficava invisível (foi o mais ‘ok’ dos 4), outro tem visão de calor e a outra controla uma corrente… Legal hein!?

Rub – Esse detalhe que eu queria levantar sobre os poderes deles. Rola uma insinuação num dos diálogos que o PROTA tem, de que os poderes tem uma relação com cobras, como camuflagem (invisibilidade) para pegar as presas, o bote das correntes, atirar “veneno” de gilete e visão de calor… É sério isso ou estou vendo coisas!?

Alex – Ah! Verdade, parece ser isso. Tem fundamento. A clonagem do protagonista funcionaria como o quê? Não sei o que associar os poderes do protagonista. Isso seria uma forma de “abordagem” legal, porém me pergunto até quando isso irá continuar. A obra parece que irá ter um leque bem grande de personagens. Se fomos até o material original, no caso o mangá, ele já se encontra com 18 ou 19 volumes. Imagino que no decorrer desses volumes, vai aparecendo mais e mais personagens, afinal, isso é o Battle Royal que adiciona novos integrantes quando alguém é convidado e “aceita participar” desse jogo. Então me pergunto até onde o autor vai conseguir variar nesses poderes para fazer referência à cobras, ou se ele depois de um tempo, vai apenas ignorar isso e colocar poderes mais aleatórios. E sério que teve um diálogo assim? Te juro que não vi… Acho que dormi e não percebi… XD

Rub – Eu acredito que seja a última opção. Até porque, depois de hoje, eu já tenho certeza da falta da capacidade do autor em fazer algo decente. Pior que teve esse diálogo realmente. Na luta com a guria das correntes, o protagonista teve esse pensamento sobre como as correntes dela agem feitos “cobras”. Em seguida, ela pergunta se ele não viu a cobra que o picou quando ele começou o jogo no aplicativo. Tudo entorno da palavra “cobra”. E falando nela, eu já puxo a PAIXONITE dela pelo protagonista surgir DO VÁCUO depois de uma luta mortal entre os dois.

Alex – Eu tenho uma questão sobre a garota e as correntes. Tá certo que muita coisa ali vai contra a física, mas muitas vezes durante o uso das correntes dela, não existe um meio para dar impulso para ela, e literalmente a garota flutua no espaço. Em vários momentos, as duas pontas das correntes estão à frente dela e ela vem atrás como se estivesse voando. Isso é bem incômodo para mim, já que de certa forma, Darwin’s Game ainda “respeita” a física para muita coisa. Mas quando chegou nesse ponto, foi completamente ignorado. Eu imaginei que em algum momento ia brotar o romance (porque tem que ter), mas eu não imaginei que ia ser AGORA e completamente DO NADA. Fora que eu já sei muito bem para onde isso vai, quando ela é derrotada e diz que vai obedecer ele. E temos AQUELA CENA FINAL. Já me veio na cabeça que ela vai ser mais uma personagem submissa ao que o Kaname quer/diz.

Rub – Eu já esperava os “X-Men” aqui de poderes. Se aparecer uma pessoa que é um telepata e uma pessoa que controla o magnetismo, fechou o pacote XP. E por que ela estava nua no final? Vai me dizer que agora é que nem Goblin Slayer, em que a guria tem que ficar PELADA para dar cura no mano?

Alex – Hahahahahahaha. Eu lembrei de Arifureta na hora. Foi instantâneo, já que as cenas em si são muito semelhantes. A diferença é que nessa, a guria não é uma loli e os quadros estavam mais bonitos visualmente XD.


Alex – Antes de partir para a parte técnica, eu quero falar que o poder do protagonismo, vai ser beeeem presente aqui pelo visto. Na cena da luta com a Yuno loira, o Kaname aprende a usar o poder e rapidamente pensa na super estratégia para derrotar ela. Isso em coisa de 1 minuto. Tudo muito repentino e muito em cima. Ele conseguiu prender as armas para distração e foi tudo tão “???”. E nesse 1 minuto ele até diz que os OLHOS DELE SE AJUSTARAM para enxergar no escuro. Porra velho!

Rub – E não podemos esquecer do slow motion do anime e ele tendo pensamentos mais rápidos que a velocidade da luz. Ele filosofou sobre a vida, a Terra, o ser humano, sobre a sociedade, ao mesmo tempo que desviava das correntes da guria igual Matrix.

Alex – O próprio Sócrates da vida contemporânea XD (me perdoe Sócrates por ofendê-lo de tal forma). Agora, falando da parte de animação e direção. Isso foi fraco e ruim de muitas maneiras. Eu comentei no Telegram em como não gosto da “estrutura” do rosto dos personagens. O rosto é muito largo e sobra muito espaço na cara. É muito feio. Fora a inconsistência constante com esse rosto em que você não sabe o que é certo e o que é errado ali. Lembro até do pessoal reclamando do último visual que foi liberado poucas semanas antes do anime fazer sua estreia. O rosto do Kaname estava bem torto na imagem.

Rub – O que me incomodou realmente foi a composição de cores e a continuidade das cenas. Aqueles tons lavados e opacos, sem vida, dando uma aparência ao anime que parece que foi feito no comecinho dos anos 2000… ou quando têm sequencias que não fazem sentido, como o panda está segurando a faca com a mão direita e no frame seguinte a faca passar para a esquerda…eu não curti. E teve direção? Parecia que ele tentava algo mais denso num roteiro que é mais raso que banheira de bebê. Se eu posso destacar algo que chamou minha atenção (não no bom sentido) foi a OST do episódio. Lembrou muito uma mistura de Fire Force e Big Order dos infernos. Não casava com o clima do anime, mas era tão chamativa, que acabou tendo um destaque durante o anime.

Alex – Eu achei as cores um tanto normais. Eu não costumo ter problemas com cores. É uma parte que desce tranquilamente geralmente. Gosto quando tentam estéticas diferentes. Somali é um ótimo exemplo de estética linda. Em Darwin’s Game, têm algumas partes dos cenários que são estranhas, como se usassem um filtro para o embelezamento da cena, só que não é nada bonito e me causa estranheza.

As cores estão normais e nesses instante, por exemplo, elas se tornam vibrantes. Como o próprio Rub disse, o anime têm uma paleta de cores mais opaca e do nada o anime enfia esse tipo de cena que gera um contraste ENORME.

Alex – A “direção” disso é o mais fraco possível. Não consegue levar nada consigo, tudo é muito “RETO E FRIO” (referência a uma citação maluca de um Youtuber), não passando “emoção”. Acho engraçado que vi gente comentando que o diretor era MUITO bom. Cadê todo esse trabalho bom???Acho que o cúmulo de uma direção meia boca foi com aquela cena de “””câmera lenta””” que tem no episódio. Ali eles falham miseravelmente em tentar fazer uma cena do tipo.

Rub – E se queriam passar dramaticidade nesse sequencia, eles podiam ter tentados de várias formas. Só que eles escolheram desacelerar o tempo e o protagonista ter um monologo interno sobre a verdade do Universo. Só de lembrar disso, já me dá um sono novamente.

Alex – Sim hahahahaha. Essa direção está péssima, a produção não está lá aquelas coisas também. Acho que o estúdio preferiu investir em Granbelm (anime anterior feito por eles) que tem uma qualidade bem superior no quesito animação. “Ansioso” para os próximos episódios. Quero ver a decadência dessa animação e dessa direção. E restam “”SÓ”” 10 episódios agora…

Rub – Na verdade, são 11, já que esse episódio conta como 1° somente…

Alex – Verdade, mas gosto de pensar que são 10. DEIXA EU SER FELIZ PENSANDO QUE FALTA MENOS!!!

Rub – KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Temos que fugir da realidade Alê para aguentar a pressão. XD

Alex – A realidade é cruel, por isso nós fugimos dela. XP


  • Conclusão:

Dawin’s Game conseguiu ser pior do que pensávamos (e mais tedioso). Estamos na pura ANSIEDADE para ver os próximos episódios. Quem está acompanhando o anime, se junte a nós nessa aventura maravilhosa. Quem não vai mais assistir ou droppou no primeiro episódio, volte aqui para ler as impressões dos episódios seguintes. Acredito que vai servir de entretenimento hahaha. Uma última coisa que quero dizer é que a produção desse anime não parece estar indo bem. Logo nesse primeiro episódio já tivemos alguns erros de sequência. Ou a produção está atrasada, ou o storyboarder está bêbado enquanto trabalha XP. Fiquem com duas dessas cenas:

DARKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Darwin’s Game…

3 comentários em “Darwin’s Game #1 – impressões (quase) semanais

  1. Pra vcs verem como gosto pessoal afeta e muito na hora de assistir um anime ( não só nisso mas em outras coisas também) eu gostei tanto desse anime que nem vi o tempo passar enquanto assistia, sinceramente só vi que o primeiro episódio tinha quase 50 min quando li esse review e fui conferir. O anime teve tantos problemas de direção e eu pateticamente não percebi quase nenhum ( só o do amigo fdp e do papel que ele não assinou) , provavelmente pq eu no final das contas estava me divertindo e ia ignorando automaticamente os problemas ( ou pq sou sonso ao extremo mesmo). Queria aproveitar para compartilhar minha teoria para o poder do prota, talvez não necessariamente ele tenha que ver o objetivo que copia, também fiquei confuso com ele copiar a caneta sem nem olhar direito pra ela, então penso que talvez ele copie as coisas que ele toca , e não necessariamente pela visão, de alguma forma ao tocar nos objetos ele scaneia ele , todos os objetos que ele fez nesse ep ele tinha tocado antes, isso é só uma hipótese minha , pra tentar engolir o lance da caneta, e acho que vou ter que ficar na hipótese mesmo pq não parece que o autor vai explicar.o texto já ta longo então só gostaria de agradecer pela review bem detalhada, acho muito engraçado ler essas coisas e perceber como sou sonso, como tenho uma puta abilidade de não perceber furos de roteiro e direção vou continuar acompanhando o anime , mas lendo as reviews depois pra ver oq deixei passar, sinto muito que vcs tenham que assistir um anime que vcs não gostam e lhes dão sono mas fazer oq , vcs tem que fazer reviews hehehe

    Curtido por 1 pessoa

    1. Hahahahah. Agradeço por ter lido e por pretender continuar ^^. Agora que você falou sua teoria, acredito que possa ser isso, vou comentar sobre isso com nosso outro redator, o post com as impressões do segundo episódio deve sair nos primeiros dias da próxima semana ^^.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s