Comentando os anúncios da editora Panini na CCXP

Não eram 3 anúncios?!…

No dia 6 de dezembro, a Panini “exibiu” um painel com as novidades para a editora no ano seguinte. A editora em sua rede social, fez um post informando que teríamos pelo menos 3 anúncios.

No dia, porém, não foram apenas 3 anúncios, nem 4… E sim, 8 títulos “novos” (um deles é relançamento), tudo bem que haviam dito “pelo menos”, mas acredito que 8 seja um número bem distante de 3. Se ao menos tivessem informado que seriam pelo menos 5, até veria isso como algo plausível. Ainda mais que nos dias 21 e 22 tem o Ressaca Friends e não duvido que se tenha mais anúncios. Mas enfim, vamos aos anúncios com participação especial nos comentários.

  • Demon Slayer:

Já era certo que viria para o Brasil, o anime que foi um grande sucesso. Então ter Demon Slayer no Brasil era apenas uma questão de tempo. Acredito que a maior parte do público esperava o anúncio pela Panini e cá estamos com o anúncio feito pela mesma. As outras editoras eram MUITO improváveis. A NewPOP não costuma pegar títulos longos, menos ainda aqueles que estão em andamento e Demon Slayer já tem 18 volumes. A JBC no momento atual está fugindo de títulos longos ou que estejam em andamento sem previsão alguma de final (a crise pesou muito na editora). Então, só restava a Panini mesmo.

De minha parte, eu não devo adquirir o título. Eu assisti 6 episódios do anime até o presente momento e não acho que seja um título que eu faça questão de se ter na coleção, ainda mais que a obra já está quase na casa dos 20 volumes. Além disso, apesar de eu conseguir assistir quase qualquer coisa, tenho uma preferência maior por romances e dramas, do que ação e semelhantes e isso se aplica na hora de comprar mangás. Prefiro comprar romances/dramas do que mangás de ação/”porradaria”, tanto que, são pouquíssimos os mangás do gênero que tenho em minha coleção.

Rub: vou me adentrar nesse post também para falar algumas coisinhas. xP. Também não vou comprar esse mangá. Primeiro por já ler ele na Scan. Sei que estou contribuindo para pirataria, mas meu salário não é infinito e decidi algumas prioridades que já tem o meu dinheiro garantido. Segundo, já faz um tempo que não coleciono mangás com mais de 10 volumes pela demora na publicação e a incerteza da editora publicar todas as edições. Mesmo adorando Kimetsu, vou deixar passar essa oportunidade.

João: Desde que eu vi o anime, fiquei animado com a idéia de ter o mangá no Brasil. Gostei do anime e tenho bastante interesse em comprar o mangá. O único problema é conseguir dinheiro para o mesmo, já que no momento eu coleciono 2 obras da panini (Bakemonogatari e Tanya The Evil). Então não sei se consiguirei acompanhar.

Demon Slayer é publicado na França pela editora Panini, a primeira publicação do mangá por lá foi um fracasso de vendas e a segunda publicação começara agora em setembro desse ano. Nos EUA pela VIZ Media desde julho de 2018, na Alemanha começará a ser publicado em abril de 2020 pela editora Manga Cult, na Espanha pela NORMA, publicado desde março de 2019, na Itália pela Star Comics desde abril de 2019, na Argentina pela Ivrea, a publicação começa agora em dezembro, na Polônia, o mangá foi anunciado ontem pela editora Waneko (obrigado BBM por existir) e, até onde eu consegui pesquisar, o mangá não é lançado no México.

Capas das edições francesa, estadunidense, italiana, espanhola e argentina. As edições polonesa e alemã não foram reveladas ainda.
  • Sword Art Online Calibur e Mother’s Rosario:

Acho que não era segredo para ninguém que não tardaria muito a se ter novas adaptações em mangá de ‘SAO’, já que essas adaptações aparentam vender bem. Eu particularmente achei que foram bem rápidos em anunciar novas adaptações, visto que eles acabaram de encostar na publicação de ‘SAO’ Phantom Bullet. Então eu esperava que fosse demorar um pouco mais para serem anunciadas novas adaptações. Como as publicações dessas duas será bem rápida (Calibur tem apenas 1 volume, enquanto Mother’s Rosario têm 3 volumes), imagino que até o meio do ano que vem seja anunciada mais alguma adaptação ou até mesmo algum spin-off da série de Sword Art Online. Abaixo temos uma lista de títulos em mangá advindos de ‘SAO’ (sejam eles propriamente adaptações dos arcos da novel, ou algum spin-oof).

  • Sword Art Online – Hollow Realization – de Reki Kawahara e Tomo Hirokawa, completo em 6 volumes;
  • Sword Art Online – Aincrad Night of Kirito – de Reki Kawahara e Wagyuu Kuroge, completo em 1 volume;
  • Sword Art Online – Girls Ops – de Reki Kawahara e Neko Nekobyou, em andamento com 6 volumes;
  • Sword Art Online – Ordinal Scale – de Reki Kawahara e Isll, em andamento com 4 volumes;
  • Sword Art Online: Project Alicization – de Reki Kawahara e Koutarou Yamada, em andamento com 3 volumes;
  • Sword Art Online* (4-koma) – de Reki Kawahara e Juusei Minami, em andamento com 3 volumes;
  • Sword Art Online – Progressive – de Reki Kawahara e Kiseki Himura, completo** em 7 volumes.

*Segundo o Wiki, o último capítulo desse mangá saiu em agosto de 2016 e de lá para cá, nada mais foi publicado.

**’SAO’ Progressive foi encerrado depois do desenhista abandonar o mangá, mas em 2018, um novo desenhista (Shiomi Miyoshi) assumiu a série, passando a ser chamada de “Sword Art Online: Progressive – Hoei no Barcarole“. Atualmente está com 1 volume.

Para quem me acompanha em meu perfil pessoal do Twitter, sabe como eu não gosto (a cada arco novo passo a odiar mais) de Sword Art Online. Gosto do primeiro arco, pois foi divertido de assistir, mesmo com seus inúmeros problemas de roteiro, então não pretendo adquirir mais nada (comprei o volume 1 da LN e me arrependo) relacionado à Sword Art Online.

Rub: faço as minha palavras iguais a do Alê. Também não sou fã de SAO (também de ter comprado as novels em promoção) e os mangás facilmente serão desconsiderados pela minha parte. Mais dinheiro economizado.

João: Digo o mesmo. Não sou fã de SAO (da mesma maneira que eles só tenho a primeira novel que comprei em promoção) logo, não pretendo acompanhar esse lançamento.

‘SAO’ Calibur foi lançado na França pela editora Ototo, em maio de 2016, nos EUA pela Yen Press, em dezembro de 2017, na Itália pela Edizioni BD (J-POP), em outubro de 2018, na Alemanha pela TOKYOPOP, em agosto de 2019, no México pela Panini, em agosto de 2018.

Capas das edições mexicana, estadunidense, alemã, francesa e italiana.

Mother’s Rosario foi lançados pelas mesmas editoras que lançaram Calibur, com exceção da Espanha, que lançou Mother’s Rosario e não o Calibur. Por lá o título saiu pela editora Planeta Cómic e a publicação foi entre novembro de 2018 e maio de 2019. Na França, Mother’s Rosario foi lançado entre novembro de 2016 e março de 2017. Na Alemanha entre julho e outubro de 2019. Na Itália foi publicado entre junho e agosto. Nos EUA foi lançado entre abril e setembro de 2017 e por fim, no México ele foi lançado entre julho e novembro de 2018.

Edições mexicana, estadunidense, alemã, francesa, espanhola e italiana.

PS: antes que eu me esqueça, no painel da Panini na CCXP, foi feita uma pergunta sobre a possibilidade da editora lançar as novels de The Promissed Neverland. Levi Trindade, editor chefe da editora, respondeu que não, mas que teríamos mais novels para Sword Art Online ano que vem.

Rub: Mas só acredito vendo se vão publicar essas novels ano que vem de fato. Vou ficar esperando e se não vão dar uma de JBC de negociar um volume de cada vez igual Overlord.

PERGUNTA DA PLATEIA: Sobre os mangás tem alguma possibilidade das light novels spin-off de The Promised Neverland saírem aqui no Brasil?

RESPOSTA DO LEVI TRINDADE: Meio cedo para falar sobre isso, mas a gente vai ter light novels de Sword Art Online, muito mais light novels de Sword Art Online, no ano que vem.

Não fiz post somente por não ter sido anunciado arcos em específico, mas as informações podem ser vistas nesse post do BBM ^^.

  • Jujutsu Kaisen:

Jujutsu Kaisen me pegou um pouco desprevenido. Semanas atrás foi anunciada a sua adaptação em anime, então já esperava que seria anunciada no Brasil em algum momento de 2020 (até cheguei a pensar em fazer um post e deixá-lo pronto, mas acabou que ficou só no pensamento *risos*). O mangá no fim, acabou sendo anunciado mais cedo. Entretanto, isso pode ser “explicado” quando se pesquisa um pouco e, se descobre que a Panini Itália publica o título por lá.

Num geral, eu não tenho o que falar da obra. Não acompanho ela, muito menos tenho interesse nela. Quando seu anime for lançado eu assistirei, mas, o mesmo que eu havia dito para Demon Slayer, vale para Jujutsu Kaisen. Uma obra da Jump, que apesar de estar com poucos volumes atualmente (tem apenas 7 volumes), não acho que o estilo de obra dele me agrade e, sinceramente, não estou com muita vontade de pagar 22,90 (no mínimo) para descobrir. Prefiro aguardar e esperar pela sua adaptação em anime.

Rub: também não tenho nada a declarar aqui. Desconheço o mangá e não vou comprá-lo. Pulando para o próximo.

João: Nunca ouvi falar dessa obra e pelo que pesquisei não me chamou nem um pouco a atenção. Com certeza não comprarei.

Jujutsu Kaisen vai ser publicado na França pela editora Ki-oon, a publicação começa em fevereiro de 2020. Nos Estados Unidos, é publicado pela VIZ Media, a publicação começou agora em dezembro. Na Itália, como eu disse acima, é publicado pela Panini, a publicação começou em outubro, o mangá, ainda, recebeu uma edição especial com uma capa variante. Na Alemanha é publicado pela Kazé desde novembro. Na Espanha será lançado pela Norma no primeiro semestre de 2020. O título não é publicado na Argentina, Polônia e no México.

Edições alemã, estadunidense,francesa e as duas edições italianas (normal e capa variante).
  • Bokutachi wa Benkyou ga Dekinai:

Esse até que demorou para ser anunciado. Pensei que ele seria anunciado logo após a conclusão de Nisekoi para “substituí-lo”. Tardou, mas cá estamos e teremos ‘Bokuben” no país. O momento foi bem aproveitado já que a segunda temporada do anime está em exibição. A publicação do mangá deve começar pouco tempo depois dessa temporada se encerrar e o momento seria ainda mais propício se o título tivesse sido anunciado no começo do ano, enquanto a primeira temporada do anime ainda estivesse em exibição. Assim, a publicação do título iniciaria (provavelmente) juntamente com a segunda temporada.

Eu não devo adquirir o título. Outro mangá da Jump que ainda está em andamento. Esse com quase 15 volumes, sem uma previsão de término. Ainda por cima, o anime não me agradou em quase nada (apenas uma personagem me soou mais carismática). A direção é fraca, a animação pobre, o timing cômico é péssimo, dentre outros problemas. Há quem diga que o mangá é muito melhor do que o anime, o que pode ser muito facilmente verdade, mas isso me deixa com o pé atrás, ainda mais que eu estou mais interessado em outro título semelhante que foi anunciado. Quem sabe quando eu finalizar de comprar meus volumes de Nisekoi (faltam 12 volumes…) e se, por um milagre, ainda haver os volumes disponíveis, eu dê uma chance para o título. Por hora, eu passo.

Rub: o primo pobre de Nisekoi. Aqui é um exemplo de um anime que me desestimulou e muito a acompanhar o original. Achei mais do mesmo do gênero harém e não fiquei nenhum um pouco curioso com o que vai acontecer daqui para frente no enredo. Dispenso. Próximo.

João: Eu gosto bastante do mangá de ‘Bokuben’ e com certeza quero dar um jeito de adquirir as edições que serão lançadas pela Panini. Porém, tem algo que me preocupa bastante em relação a este lançamento, e é o fato de que provavelmente será lançado junto com o mangá de Go Toubun no Hanayome. Isso me preocupa pois, como um amigo meu me disse, é provável que, como são obras relativamente parecidas, uma vai atrapalhar as vendas da outra e, provavelmente, (e infelizmente) o prejudicado será Bokuben.

Bokutachi wa Benkyou ga Dekinai é lançado na França e na Alemanha pela Kazé, começou a ser publicado em setembro de 2018 e novembro de 2019, respectivamente. Nos EUA é lançado pela VIZ Media desde dezembro de 2018. Na Espanha é lançado pela Ivrea desde julho de 2019. O título não é lançado na Itália, Argentina, México e Polônia.

Edições alemã, estadunidense, espanhola e francesa.
  • Go Toubun no Hanayome:

Outro foi anunciado e outro que já era de se imaginar que mais cedo ou mais tarde chegaria ao país. Bem como já era de se imaginar por qual editora viria. Dito e feito. Foi anunciado pela editora e, em momento até muito bom no meu ponto de vista. A obra vai ser concluída em 14 volumes, restando apenas 2 volumes até o final e, ainda, temos a segunda temporada do anime chegando em janeiro de 2020, um momento propício para anúncio e lançamento do mangá.

Esse é o título ao qual eu tenho interesse! A princípio eu não gostava tanto de Go Toubun, acompanhando o anime de janeiro à março. Ao fim dele, eu não tinha tanto gosto como tenho hoje pela obra. Não sei ao certo o que me fez gostar mais do anime. Aprendi a gostar dele com o tempo. Mas fato é, atualmente, Go Toubun é um mangá que quero ter na coleção. Eu não gostei tanto do trabalho do diretor no anime, imagino que irei gostar mais do mangá do que do anime ^^. Um fator positivo, é que já sabemos em qual volume a obra se encerra (volume 14), então eu não fico com um pé atrás de começar a comprar e a obra se estender até não dar mais. Isso poderia acontecer facilmente, dado o sucesso imenso que o mangá faz no Japão.

Rub: esse daqui ainda não vi o anime, mas está nos meus planos durante as ferias da faculdade assistir e pegar embalo na segunda temporada. Como ainda vou ver a adaptação, aqui vou colocar uma interrogação se compro ou não o mangá. Se eu curtir, a uma boa chance disso acontecer.

João: Eu acompanho o mangá de Go toubun, mas particularmente não gosto da obra o suficiente para querer adiquirir as edições da Panini.

Go Toubun no Hanayome irá começar a ser lançado na França pela editora Pika, em fevereiro de 2020. Nos EUA ele é publicado pela Kodansha Comics, a publicação começou em janeiro desse ano. Na Itália é lançado desde novembro desse ano pela editora Edizioni BD (J-POP). No México a publicação começa em dezembro, por lá será publicado pela Panini. Na Argentina, quem publica é a Ivrea, a publicação começou em novembro. Na Espanha o título chega em 2020 pela editora NORMA e na Alemanha, o mangá começa a ser publicado em março de 2020 pela editora Egmont Manga. O título ainda não é publicado na Polônia.

Edições argentina, francesa, estadunidense, italiana, mexicana e a capa provisória alemã.
  • Vinland Saga:

Penúltimo anúncio a ser comentado, Vinland Saga será relançado em uma edição 2 em 1. A procura pelo título deve ter aumentado consideravelmente devido a adaptação em anime que ainda está em exibição. Antes mesmo da adaptação em anime começar, já haviam diversos volumes da obra esgotados. Para quem não teve oportunidade de comprar, talvez agora seja uma boa chance.

De minha parte, é muito provável que eu o deixe passar. A Panini anda anunciando títulos em um dia e lançando logo em seguida. Não dá chance para uma programação e como Vinland será uma edição 2 em 1, seu preço será bem elevado. A última edição em formato BIG da editora (que na verdade, também foi a primeira), foi lançado ao preço de 37,90. Um excelente preço se compararmos com os que a JBC trabalha, mas ainda assim, acredito que seja um produto que eu não tenha condições de adquirir, ainda mais se essa edição for lançada em um formato semelhante ao de Pluto (capa dura com sobrecapa). Se algum dia eu encontrar a primeira edição em alguma promoção e eu tiver condições para adquiri-la, eu comprarei.

Rub: mesmo caso de Demon Slayer. Gosto do mangá, mas a quantidade de volume e ainda em publicação, me desestimula a adquirir os volumes que serão lançados por aqui. É uma nova versão e tal, só que mesmo assim não me convenceu.

João: Assisti alguns episódios do anime, porém por falta de tempo parei de ver e pretendo continuar durante as férias. Até onde acompanhei, mesmo gostando da obra, não tenho interesse no mangá.

Vinland Saga é lançado na França pela editora Kurokawa desde janeiro de 2009, na Itália pela Star Comics desde fevereiro de 2010, nos EUA o mangá é lançado pela VIZ Media no formato 2 em 1, com capa dura desde outubro de 2013. Na Alemanha pela Carlsen desde março de 2012, na Espanha pela Planeta DeAgostini desde outubro de 2014, na Polônia é lançado pela editora Hanami desde 2017, de maneira bem irregular, vale dizer. Ao que parece (pelo quantidade de páginas) a edição polonesa é em formato 2 em 1. O mangá é inédito na Argentina e no México.

Edições francesa, estadunidense, italiana, alemã, espanhola e polonesa.
  • Banana Fish:

Não poderia finalizar esse post sem ser com Banana Fish. Título esse que estava dividido em comemorar e chorar ao mesmo tempo. O motivo vocês bem devem imaginar… Panini. Como disse anteriormente, a Panini vem anunciando títulos e lançando meses depois, chegando a ter meses que sou obrigado a escolher entre um título e outro por não ter dinheiro para bancar tudo. Meses chegam ter 3, 4 até 5 lançamentos de uma só vez (lembrando que vários desses lançamentos atrasam meses e acumulam com outros de outros meses). Banana Fish provavelmente não estará isento desse método, assim se torna muito difícil de se adquirir os títulos da Panini.

Eu pretendo fazer um esforço ENORME para conseguir comprar Banana Fish. Não sei se vou conseguir, mas vou pelo menos tentar. Banana Fish eu estou de olho desde que sua adaptação em anime estreou em julho de 2018. Apesar do anime ter diversos problemas que poderiam facilmente ser cortados, foi um bom anime que me prendeu do começo ao fim (e que fim…). Eu particularmente preferia que viesse pela NewPOP, por uma série da fatores, até pelo seu novo selo para mangás clássicos, o PRIME. Mas como não temos NewPOP, temos que nos contentar (infelizmente) com a Panini. O formato do mangá pode influenciar na velocidade que poderei (ou não) comprar os volumes, apesar de no slide com o anúncio do mangá estar “19 volumes”, indicando que a nossa edição irá seguir o tankobon, mas fazendo uma rápida pergunta ao Kyon sobre o que ele acha, ele disse que nunca se sabe e de fato, a Panini é bem imprevisível. Então devemos aguardar até mais detalhes sejam revelados.

Rub: vou passar Banana Fish. Eu não curti muito o anime ano passado por vários motivos e, mesmo sendo o original ser melhor que a adaptação, não vou adquirir nenhum volume da obra.

João: Nunca vi nada sobre Banana Fish. Pretendo dar uma chance para a adaptação em anime e, por enquanto, não tenho vontade de ler o mangá.

Banana Fish foi lançado e relançado em vários países, alguns já chegaram a cancelar o título. Na Itália, Alemanha, França e Espanha o título foi lançado pela Panini, sendo que na Itália e na Alemanha será um relançamento. Na Itália será uma edição de apenas 10 volumes que começa a ser publicada agora em dezembro e, na Alemanha será uma edição de apenas 7 volumes, prevista para fevereiro de 2020 (BBM, se estiver vendo este post [por um acaso] e souber de algo, por favor, avise ^^). Nos EUA ele foi lançado pela VIZ entre março de 2004 e abril de 2007. O título não é publicado na Argentina, Polônia e México.

Edições italiana, espanhola, estadunidense e francesa. Desculpe as imagens com baixa qualidade, nem sempre consigo contar com a Amazon…

Lembrando que nos dias 21 e 22 teremos o Ressaca Friends, geralmente se têm anúncios lá. Então, estamos de olho e vai que a Panini resolve anunciar ainda mais títulos… NUNCA se sabe.