Resenha: A Menina do Outro Lado (volume 1)

Os seres que habitam o “outro lado”…

O ano era 2017, a editora DarkSide Books começara a investir no ramo de quadrinhos, dentre os títulos anunciados naquela ocasião, um deles era um mangá, a obra em questão era “Fragmentos do Horror”, de Junji Ito. No ano seguinte, a DarkSide novamente anuncia um mangá, a obra da vez era “The From Girl Other Side”, chamado em japonês de “Totsukuni no Shoujo” (とつくにの少女) e publicado no Brasil como “A Menina do Outro Lado”.

Capa do volume 1 da edição nacional.

Passou-se um ano desde seu anúncio até que veio a notícia de que sua publicação iria se iniciar. O primeiro volume foi publicado em fevereiro deste ano, e de lá para cá, foram lançados outros dois volumes da série. Consegui adquirir o primeiro volume semanas atrás, apesar da demora, nunca é tarde para se falar de um título interessante e que tem muito à oferecer ^^.


Sinopse oficial:

“Em um país dividido entre pessoas normais e seres amaldiçoados, Shiva é uma menininha que foi acolhida por uma estranha criatura meio animal e meio humana. Sensei, como é chamado, não pode ser tocado e vive fora da cidade. Afastado do convívio com os demais e ciente dos perigos e maldições que os rodeiam, Sensei alerta Shiva para que ela não saia sozinha. Porém, quando a menininha decide reencontrar sua tia desaparecida, regras são quebradas ― e a vida que eles conheciam é colocada em risco.”


  • História e desenvolvimento:

“A Menina do Outro Lado” nos apresenta um mundo dividido, em que podemos fazer uma relação entre civilização × barbarie. A “civilização” pode ser vista como quem está “dentro dos muros” (os humanos) e quem está fora, obviamente, é a “barbárie” (os seres do outro lado).

Em meio à isso, somos apresentados a Shiva, uma garotinha (muito fofa diga-se de passagem) e o Sensei, uma das criaturas do “outro lado”. Os dois vivem juntos numa cabana. O Sensei pode ser visto como uma espécie de tutor da Shiva, já que ele cuida dela, além de ter muito apreço pela garota.

PS: não sou fotógrafo e como não queria deixar o post “em branco” eu tirei essas, não são de alta qualidade, mas da para ter uma ideia.

Por que a Shiva está com o Sensei? Não é dito muito sobre, tudo o que sabemos nesse comecinho é que ela está à espera de sua tia que está desaparecida. Ela fala dessa tia durante o decorrer desse volume, mas não se sabe o que aconteceu com ela, quem é ela, para onde ela foi, nem nada do tipo, adicionando mais um mistério para a obra, fazendo com que você fique mais interessado em seu enredo.

Nesse primeiro volume, (novamente) pouco é dito/explicado sobre a “maldição”, o que é muito bom, já que se trata de um volume introdutório e te deixa curioso sobre o que de fato é essa maldição. O pouco que é dito sobre ela é contado através de uma pequena lenda lida pelo Sensei para a Shiva, mas não é dito de onde ela veio, o que aconteceu no passado para “permitir” a existência dessa maldição, dentre outros questionamentos.

Em vez de focar em explorar os mistérios da obra, o autor (Nagabe) utiliza este tomo inicial para nos mostrar um pouco da relação da Shiva com o Sensei. A vida deles se mostra um tanto complicada, por viverem do outro lado, a comida acaba por ser bem escassa, eles procuram lenha também no volume e é provável que vejamos eles passando por mais dificuldades no decorrer da obra. Essa “exibição” da vida dele perdura por quase todo o volume, dentre as situações da vida deles, quero destacar a “festinha do chá” que é particularmente a minha favorita ^^.

Ao longo deste volume inicial, fica evidente o quão afeiçoado eles são um com o outro. Em todo o volume se vê a preocupação do Sensei em manter a Shiva em segurança, ele até estabelece algumas regrinhas/limites em prol da segurança dela (funciona? Nem tanto rs), como pro exemplo, sair dos arredores da morada deles sozinha ou não encostar, em hipótese alguma, no Sensei (coisa que ela demonstra ter muita vontade fazer), já que ele “transmite” a maldição. A Shiva igualmente se mostra preocupada com ele, dando presentes para o Sensei, assim ele não se sentiria solitário, o que gera cenas muito fofas e mostram o quão apegada ela é com ele.

A questão do Sensei estar sempre preocupado em manter a Shiva por perto é uma demonstração de afeto, afinal se ele não se importasse com ela, ele a deixaria por aí. E temos que lembrar que o Sensei não é a única criatura que vive do outro lado, ele tem medo que esses outros seres passem a maldição para ela.

E por falar em medo, o tema “medo” é um dos principais da obra e quero destacar, em especial, o medo dos humanos em relação ao que vem do outro lado. Quando o ser humano é colocado em uma situação em que ele não detém o controle dela, a “outra parte”, que está “””contra””” ele é logo vista como seu inimigo, por isso ele se isola em algum local que é considerado seguro e procura aliados para destruir seu suposto inimigo. Aplicando isso ao mangá, temos exatamente a forma como os humanos se comportam com as criaturas, tanto que toda e qualquer coisa vinda do outro lado é vista como inimiga, independente do que seja. Não há uma tentativa de diálogo, consigo até imaginar um controle social dentro dos muros de onde os humanos vivem, por hora é apenas uma suposição, mas não duvido em nada que aconteça.

O ar sombrio da obra é transmitido muito bem em sua arte, carregada em tons de preto e cinza, além de contrastar com o branco, que também é muito presente na obra. O interessante disso, é que pode-se fazer relação de puro × impuro, em que a Shiva é a pureza, tanto que quase nunca há a presença de sombras nela, ela é quase sempre branca, enquanto o Sensei é preto, representando a impureza causada pela maldição.

  • Conclusão:

“A Menina do Outro Lado” é um mangá muito interessante que tem muito à oferecer no decorrer de sua história. O autor Nagabe é muito elogiado por seus enredos, então estou com altas expectativas para essa daqui, já que é meu primeiro contato com uma obra dele, e para um primeiro contato, eu gostei bastante do que li. Dizem que o mangá apresenta discussões muito boas sobre medo, preconceito, entre outros temas “polêmicos”, estou ansioso para adquirir os próximos volumes ^^.

Falando um pouco sobre a edição física, a DarkSide é famosa por seu acabamento primordioso em suas edições e em A Menina do Outro Lado não foi diferente. A edição está muito boa, com miolo costurado, oo que é bem raro quando se trata se mangás, tirando os mangás e novels da NewPOP que sempre tem esse tipo de acabamento. A capa é dura com guarda e o papel usado no miolo é o offset, que é de boa qualidade, quase não há transparência à depender da luminosidade do ambiente. Uma excelente edição.

Queria dar destaque para essa ilustração aqui, porque eu achei lindíssima!
  • Ficha técnica:
  • Nome original: Totsukuni no Shoujo (とつくにの少女)
  • Nome nacional: A Menina do Outro Lado
  • Autor: Nagabe
  • Serialização no Japão: Comic Blade/Comic Garden
  • Editora japonesa: Mag Garden
  • Editora nacional: DarkSide Books
  • Data de lançamento no Japão: 10/03/2016
  • Data de lançamento nacional: fevereiro de 2019
  • Formato: 14 × 21 cm (em capa dura)
  • Miolo: papel offset
  • Preço de capa: 54,90

Um comentário em “Resenha: A Menina do Outro Lado (volume 1)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s